PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

Relações requentadas como de Neymar e Bruna não vingam com rusga escondida

Bruna e Neymar passaram o Réveillon juntinhos e fizeram questão de mostrar com fotos em seus perfis no Instagram - Reprodução/Instagram
Bruna e Neymar passaram o Réveillon juntinhos e fizeram questão de mostrar com fotos em seus perfis no Instagram Imagem: Reprodução/Instagram

Adriana Nogueira

Do UOL

03/01/2017 10h58

Em seus perfis no Instagram, Bruna Marquezine e Neymar postaram fotos trocando carinhos dando a entender que retomaram o namoro terminado em agosto de 2014. O senso comum diz que figurinha carimbada não preenche álbum, mas, ao reatar uma relação antiga, as chances de dar certo são maiores ou menores? A seguir, veja a opinião da psicóloga e terapeuta de casais Miriam Barros.

A antiga rusga acabou ou está debaixo do tapete?

Alguma razão havia para que os dois se separassem, logo, antes de retomar o namoro ou casamento, o casal precisa resolver o conflito que levou ao rompimento. “Não adianta empurrar o problema para embaixo do tapete, eles precisam olhar para as dificuldades, conversar francamente e refazer as bases da relação”, afirma Miriam.

A terapeuta diz que muitos casais na empolgação falam da boca para fora que o que passou, passou e, na primeira briga, trazem à tona o assunto.

Pergunte: que culpa eu tive antes?

É difícil ser racional nos assuntos do coração, mas já que houve o afastamento físico, antes de retomar o relacionamento, é hora de refletir e se perguntar “já conheço os defeitos e qualidades da pessoa, é isso o que quero para mim?”.

Também é imprescindível olhar para si próprio e tentar identificar o que no seu comportamento pode ter contribuído para o fim do romance. “Tem tanta coisa que a gente faz e não percebe na hora. Toda história tem dois lados, mesmo nos casos em que um foi traído”, fala Miriam.

A visão do amigo

Um bom amigo capaz de fazer uma análise franca sobre o relacionamento pode ajudar a pessoa que está pensando em voltar a enxergar o romance por outra perspectiva. “O terapeuta de casais tem esse olhar neutro. Na ausência dele, um amigo em que se possa confiar faz bem esse papel. Ajuda a perceber coisas que não seriam percebidas sozinho”, afirma a psicóloga.

Mas não precisa ser 500 amigos...

Mesmo que não tenham tido a opinião solicitada, pessoas ao redor do casal vão se achar no direito de dar pitaco sobre o reatamento. Para Miriam Barros, é importante não dar ouvidos ou mesmo colocar limites. “Vale falar: ‘Agradeço a sua preocupação, mas estou resolvido sobre o tema’.” A psicóloga diz ainda que é preciso entender que todo relacionamento corre o risco de dar errado, seja novo ou uma história antiga.

Relacionamentos