Topo

O caso da menina morta por mãe e padrasto após fazer xixi na cama que chocou o México

A menina de "meias vermelhas" será registrada após sua morte com o nome de Guadalupe - Frida Guerrera
A menina de 'meias vermelhas' será registrada após sua morte com o nome de Guadalupe Imagem: Frida Guerrera

Ana Gabriela Rojas

Da BBC News Mundo no México

06/09/2019 13h34

Irritados porque foram acordados com o choro da menina de 4 anos, a mãe e o padrasto a espancaram até a morte.

O corpo de Lupita foi abandonado na avenida Bordo de Xochiaca, em Nezahualcóyotl, no México. Ela foi encontrada enrolada em um cobertor, vestida apenas com uma camiseta verde e meias vermelhas.

O caso da menina de "meias vermelhas", como ficou conhecido na imprensa local, chocou o país em março de 2017.

Nesta semana, a mãe da criança, Yadira N., e o namorado dela, Pablo N., foram condenados a 88 anos de prisão por feminicídio.

A sentença, de acordo com os jornais locais, diz que o casal "foi considerado culpado pela morte da menina de 4 anos", cujo corpo apresentava sinais de abuso, "várias lesões e não foi reivindicado por ninguém".

O juiz também ordenou que a menina fosse registrada como Guadalupe Medina Pichardo, uma vez que aos 4 anos não tinha certidão de nascimento. Era chamada apenas de Lupita pela família.

Além disso, seus três irmãos receberão bolsas de estudo para que possam continuar estudando.

O trabalho da ativista de direitos humanos Frida Guerrera foi essencial para desvendar o crime.

Ao saber do ocorrido, ela se empenhou em identificar a vítima, que já havia sido sepultada, uma vez que o corpo não havia sido reivindicado por ninguém.

Meses depois, o corpo de Lupita foi identificado por suas tias Marina e Luz María, informou o site mexicano Animal Político.

Nove mulheres são assassinadas por dia no México - AFP
Nove mulheres são assassinadas por dia no México
Imagem: AFP

Yadira e Pablo foram presos em 24 de dezembro de 2017.

De acordo com o Animal Político, nas primeiras declarações, ambos disseram que repreenderam a menina por fazer xixi na cama sem antes dizer a eles que precisava ir ao banheiro e porque continuava chorando, e teria sido Pablo quem a espancou até a morte. A Promotoria mexicana afirma ainda que ele estuprou a menina.

"'Meias vermelhas', você representa as crianças mexicanas com quem ninguém se importa, nem seus próprios pais, tampouco o governo ou a sociedade, que seguem te usando para satisfazer seu instinto de poder e maldade", escreveu Frida Guerrera em seu blog após a sentença.

'Ela não soube defender a filha'

Marina Pichardo, uma das tias da menina por parte de mãe, também atuou para manter o caso aberto.

"É uma sentença boa, mas não repara o que eles fizeram", diz Marina à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

"Fizeram justiça. Mas dói muito que minha irmã não tenha sabido defender a filha do parceiro, que era um homem muito violento", acrescenta.

Ela conta que quando Lupita tinha 4 meses, sua mãe foi presa por roubo.

Naquela época, Marina cuidou da sobrinha. Mas quando Yadira saiu da prisão, a garota voltou para a casa da mãe.

"Eu disse que, se ela não conseguisse lidar com a menina, para deixá-la comigo e que ela poderia visitá-la. Mas ela me disse que iria mudar, que se comportaria direito, e a levou."

Outras famílias também se ofereceram para cuidar da garota, mas ela não permitiu.

"Ele merece essa condenação. Ela também por não dizer nada, por não nos pedir ajuda", avalia Marina.

O rosto e a voz de Lupita ficaram conhecidos em todo o país por causa de um vídeo gravado em dezembro de 2016, que foi divulgado após sua morte.

Nas imagens, ela aparece chegando sozinha na casa de estranhos e diz a eles que não comeu.

Violência contra a mulher