PUBLICIDADE

Topo

Soltos

Número de solteiros que quer namorar pós pandemia dobra. Carência ou foco?

Número de solteiros querendo um romance "real-oficial" quase dobrou e hoje está em 63%. - iStock
Número de solteiros querendo um romance "real-oficial" quase dobrou e hoje está em 63%. Imagem: iStock
Carol Tilkian e André Lage

sobre os colunistas

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

André Lage

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

Colunista do UOL

16/12/2020 04h00

Apesar da minha tia Cleyde me olhar com pena porque eu não tenho um namorado, e do dicionário definir solteiro como "carente, falto", a verdade é que, na pré-pandemia, eu e a maioria dos solteiros estávamos muito bem, obrigada sem uma conchinha fixa.

Fizemos uma pesquisa com mais de 1500 solteiros do Brasil todo e no início de 2020 só 37% deles queria namorar. Nós estávamos plenos, aproveitando nossa liberdade, dormindo na transversal e ampliando o repertório de bocas beijadas no Carnaval (saudades!). Mas, passado quase um ano de isolamento social, esse número de solteiros querendo um romance "real-oficial" quase dobrou e hoje está em 63%.

Confesso que eu estou nessa estatística também e tenho tido mais vontade de achar um 'mozão 2021'. Mas, para evitar que a gente coloque qualquer um pra preencher essa vaga, acho importante nos questionarmos sobre o que impulsionou essa vontade súbita de mudar o status do Facebook.

Estamos mais carentes, mais focados, mais medrosos? Ou um pouquinho disso tudo junto?

Contatinho não lava banheiro com você

Já imagino minha tia Cleyde olhando esses números da pesquisa e comentando com ar de vitória: "Tá vendo? Na hora do aperto ninguém quer esfregar álcool gel nos pacotes de batata frita sozinho". Por um lado, tenho que dar o braço a torcer e dizer que ela está certa.

Estar rodeado de gente interessante quando está todo mundo feliz, bronzeado e purpurinado é fácil. Mas quem sobra quando estamos na nossa versão descabelada, apreensiva com o futuro e com as mãos rachadas de tanto lavar louça e passar o tal álcool gel?

Obviamente estava todo mundo na sua própria espiral de ansiedade e tivemos que colocar a máscara de oxigênio primeiro em nós mesmos. E se muitas vezes não conseguimos estar presentes nem para segurar a onda de amigas queridas ou de parentes idosos, que dirá fazer a manutenção dos contatinhos que apareciam só de madrugada para um sexo bom. Num ano em que nos foi privada a leveza, ficou clara a importância dos vínculos sólidos, mesmo em relações casuais.

E se você morresse amanhã?

Sei que essa frase é fatalista e melodramática, mas a verdade é que ela habitou minhas insônias com certa recorrência nos últimos meses. Esse confronto com a finitude fez aflorar em mim e muitos solteiros a vontade de construir uma relação.

Não sei vocês, mas eu estou exausta. Exausta de ficar em casa, exausta de ficar em estado de alerta, exausta de relações que não dão em nada. Os muitos dias sozinha em casa me fizeram reler 800 vezes as inúmeras conversas com crushes nos apps de paquera e no inbox do Instagram. Tanto flerte pra nada. Tanto jogo truncado pra nada? Não dá mais pra desperdiçar tempo.

Não dá mais pra fingir que a gente não está vendo que estamos sendo enrolados por um cara falso disponível. Não dá mais pra aceitar migalhas. Assim como eu, segundo nossa pesquisa. 64% dos solteiros vão parar de insistir em quem não quer eles. E com esse lugar do coração vago, a maioria de nós vai topar se aventurar nessa busca por alguém.

No canal a gente fala que a solteirice contemporânea é um grande jogo de quem se importa menos e onde morremos de medo de que qualquer demonstração de carinho seja lida como carência. Por isso, passamos meses enrolando o crush fazendo a linha "descolados-desapegados-bem-resolvidos" e muitas vezes deixamos as relações morrerem porque nenhuma das partes teve coragem de dar o próximo passo e baixar um pouquinho a guarda.

Pelo visto as regras do jogo de 2021 vão ser outras. Estamos mais dispostos a assumir nossos desejos sem máscaras. Deu mais vontade de abrir o coração, ficar vulnerável e arriscar se lançar numa paixão - 54% dos soltos disse que vai demonstrar mais carinho sem medo. Afinal de contas, se é para estar com alguém, que pelo menos a gente tente fazer a história durar mais do que os 14 dias de quarentena dos possíveis sintomas.

Foco como construção ou como prevenção?

No começo da pandemia o governo da Holanda chegou a recomendar que os solteiros tivessem uma conchinha fixa pra segurar a onda nesse período difícil e minimizar os riscos de contaminação. E é nesse momento que eu ligo o sinal de alerta nessa busca de um namorado: Acho válido querer construir uma relação sólida e compartilhar o álcool gel e o Netflix com alguém. Mas será que não corremos o risco de pular etapas e escolher errado pois estamos muito mais focados em achar um mozão 2021 do que em conhecer aquela pessoa?

Escrevemos sobre como as buscas por agências de casamento cresceram 30% nesse período e isso só reforça meu medo de que estejamos todos mais movidos pela carência e pela ansiedade do que pelo amor. Ouvimos muitos relatos no inbox dos soltos de pedidos de namoro precipitados. Uma seguidora nos contou que no 2o encontro o cara com quem estava saindo já disse que queria namorar com ela e estava planejando uma viagem de Réveillon para uma casa bucólica em São Francisco Xavier. Ansioso o moço, sim ou com certeza?

Eu entendo que os tempos de micareta acabaram (pelo menos por enquanto) e que a gente tem sido mais seletivo sobre com quem furaremos o isolamento social. Mas parece que muita gente já inflaciona a projeção da relação exatamente para justificar a saída da própria bolha. Com isso as chances das histórias darem errado são altíssimas.

Eu sei que ninguém quer correr riscos, eu também tô morrendo de medo. Mas infelizmente no amor não dá pra pular etapas. O foco é maravilhoso, mas escolher qualquer um só pra não ficar sozinho pode ter efeitos colaterais piores do que nossos dias de solidão.

Continuo no time dos solteiros que querem um namorado em 2021, mas uma coisa que esse ano me ensinou foi a não ter pressa. Vou focar em um crush por vez, mas sem a loucura da busca por rótulos. Pode ser que esteja arriscando mais minha saúde física, mas assim estou poupando minha saúde mental. Tia Cleyde, conforme-se. Não vou trazer nenhum mozão pra ceia de Natal esse ano.