PUBLICIDADE

Topo

Soltos

Gusttavo Lima se separa e choca fãs: vale acreditar na felicidade postada?

Andressa Suita e Gusttavo Lima: o casal "perfeito" da internet anunciou separação - Reprodução/Instagram
Andressa Suita e Gusttavo Lima: o casal "perfeito" da internet anunciou separação Imagem: Reprodução/Instagram
Carol Tilkian e André Lage

sobre os colunistas

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

André Lage

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

Colunista do UOL

14/10/2020 04h00

Na madrugada do dia 11 pro dia 12 de outubro, o cantor sertanejo Gusttavo Lima acordou a mulher Andressa Suita e comunicou que o casamento que todos fãs idolatravam tinha chegado ao fim. Alguns fãs chegaram a pensar em um golpe de marketing para promover a nova música, lançada dois dias antes, que dizia "Melhor terminar / Não tem mais arrepio / Café e amor: são duas coisas que não servem frio". Uma "indireta" com 12 milhões de views.

Mas o ponto que me chamou a atenção foi a quantidade de comentários dos fãs desiludidos. Uma chegou a comentar "Depois dessa separação não acredito mais em casal perfeito na internet. Eu achava eles lindooooossss, e super apaixonados. Ê 2020 ." Fiquei pensando, mas quando foi que a gente começou a acreditar em felicidade postada?

Vida real, o que era isso mesmo?

Todo solto que se preza já postou aquela foto incrível nos seus dias de fossa. Talvez esse seja o recurso mais usado do Instagram. A própria Andressa postou recentemente uma foto maquiada arrasando na pose com a legenda "No Insta, to jogada na escada, mas na real, to deitada na cama, plena...". O bizarro é que mesmo sabendo desse truque em relação ao próprio feed, parece que insistimos em acreditar na felicidade postada alheia. Construímos narrativas inteiras na nossa cabeça a partir de fotos que representam um segundo da vida do outro. O problema é quando começamos a comparar a nossa vidinha de carne e osso aos famigerados feeds alheios.

Andressa Suita e Gusttavo Lima - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Andressa Suita e Gusttavo Lima - quem vê post, não vê corre!
Imagem: Reprodução/Instagram

A (insta)grama do vizinho é sempre muito mais verde

O dia mais difícil do ano para quem quer ter um relacionamento é com certeza o dia dos namorados. Nossas redes são inundadas de fotos de casais se beijando em lugares paradisíacos acompanhadas de legendas poéticas recheadas de emojis e declarações de amor. Não por acaso, nesse dia acontece o recorde de download de aplicativos de relacionamentos. Eu mesmo confesso que já postei declarações de amor mesmo estando brigado com meu namorado, porque "todo mundo estava fazendo". E qualquer solteiro olhando para minha foto pensaria "queria ter uma relação tão feliz como a deles", que no caso não estava nada boa.

Quem vê post, não vê corre

As nossas redes não são nossa vida, são a história que a gente quer contar. Já ouvi uma vez de um amigo falando sobre o próprio feed: "adoraria ser tão feliz como esse cara!". Essa frase para mim resume grande parte do dilema que estamos vivendo. Ninguém posta quando o namoro vai mal, inclusive muita gente posta mais felicidade ainda justamente pra mascarar os problemas. E, aliado à falta de convívio cara a cara, a gente vai acreditando que está todo mundo feliz, com a pele boa, bem resolvido e só a gente está no fundo do poço.

Sozinhos, mas conectados

Quanto tempo faz que você não senta ao lado dos seus amigos, longe dos celulares pra falar sobre a vida? A gente fica trocando mensagens, olhando pras fotos que eles postam e acha que está acompanhando a vida, que estamos lá pra eles. Mas na primeira bebedeira juntos, você se dá conta que as coisas não estavam tão bem assim porque tem coisas que demoram muito para conseguirem ser ditas. Cansei de descobrir que amigos meus estavam deprimidos e já estavam tomando medicações há meses sem que eu nem desconfiasse. Nesses momentos, fiquei tão chocado quantos os fãs de Andressa pensando "Ué, mas eu achava que tava tudo bem". Parece que a gente perdeu o espaço de diálogo onde a gente falava sobre essas coisas que não são instagramáveis.

Eu sou muito fã de Sherry Turkle, uma psicóloga que estuda há anos a influência da tecnologia nas relações humanas. Em um dos seus TEDs ela alerta que as relações humanas são complexas e demandam energia e, com a tecnologia, a gente dá uma limpada nelas e corremos o risco de trocar "diálogo por mera conexão".

E como regular nosso filtro interno?

Eu acho que sempre vale a pena limpar o nosso feed. Olhar para as pessoas que a gente segue e pensar se elas nos fazem bem ou não. E pode ser até seu primo de Araraquara, que vive postando uma vida que você gostaria de ter e está longe de alcançar. Silencie as postagens que te geram gatilhos. E tente lembrar que o que você vê é tão editado como na TV: aprenda a olhar as redes sociais como uma novela à la Leblon de Manoel Carlos.

Por outro lado, precisamos urgentemente voltar a dialogar de verdade com os amigos, abrir espaço para as sombras. Entender que nossos laços de amizade não vão ser mantidos apenas com likes e áudios esporádicos. Ligue, faça um skype, se encontre em um lugar com distanciamento social, mas se abra e permita que eles se abram com você. Perceber que você não está na bad sozinho e receber afeto deles tem um enorme efeito terapêutico de te trazer mais pra perto da realidade e longe da vida perfeita do Instagram.

Se você quer saber como sobreviver à solteirice em tempos de likes, segue a gente no YouTube e no Instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros, especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Mande histórias e dilemas que a gente transforma em pauta!