PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Samara Felippo tem razão: chega de paparazzi clicando mulheres de biquíni

Samara Felippo: "Estamos em 2022 e a exposição de nossos corpos continua" - Reprodução/Instagram
Samara Felippo: 'Estamos em 2022 e a exposição de nossos corpos continua' Imagem: Reprodução/Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

21/01/2022 04h00

Todos os anos é a mesma coisa. É só chegar o verão que fotos de famosas de biquíni começam a circular em sites e revistas. Essas imagens muitas vezes são feitas por paparazzi e as mulheres em questão são pegas de surpresa enquanto aproveitam um dia de praia.

As imagens, em geral, ilustram notas em que os corpos das mulheres são avaliados como se fossem pedaços de carne. "Fulana exibe barriguinha sarada", "Sicrana mostra corpo escultural na praia". Aviso aos homens: não, mulheres em geral não colocam um biquíni e vão à praia para "se exibir". Elas fazem para aproveitar o dia, igual a vocês que usam sunga.

Mas o corpo da mulher costuma ser visto como domínio público e as pessoas ainda se acham no direito de avaliar, como se uma mulher que vai à praia estivesse sempre participando de um concurso de miss.

Já era absurdo que esse tipo de coisa acontecesse no passado. Mas, bem, estamos em 2022. Qualquer garota de 10 anos sabe o que é feminismo. Muitos hábitos (péssimos) estão sendo revistos. Mas os sommeliers de corpos continuam iguais. E sei do que estou falando porque trabalhei anos em revista feminina, acompanhando esse fenômeno de perto.

A diferença é que agora as mulheres se posicionam e não aceitam barato esse tjpo de abuso.

Foi o caso da atriz Samara Felippo nesta semana. Ela não gostou nem um pouco de ser fotografada e vítima desse tipo de comentário. A manchete de um site que publicou uma foto dela em uma praia carioca dizia que ela mostrava um "corpaço".

Atenção para mais um aviso: fazer comentários sobre corpos femininos desse jeito, sem que ela tenha perguntado, não é "elogio". É apenas invasivo. Não, mulheres não gostam disso.

Samara desabafou no Instagram:

"Essa prática grotesca e invasiva de paparazzi continua em 2022. Fazia tempo que não acessava esse lugar, me mudei para SP, estou sem fazer novelas na Globo e sem estar em capas de revista. Por isso só sai o que nós postamos em nossas redes sociais. E mesmo assim de forma deturpada e sensacionalista. A exposição aos nossos corpos e críticas aos mesmos continua. Nossa, passo por isso desde 1998. Eu ainda era uma adolescente e sempre estive inserida no 'padrão' e mesmo assim sempre fui analisada!"

Ela aproveitou o post para divulgar sua nova peça, "Mulheres que nascem com os filhos". "Bunda engaja? Bunda enche teatro? Então vamos engajar", brincou.

Ela não é a única a tentar transformar esse limão em limonada e a protestar contra a prática. Há poucos meses, a atriz Eliana, que costuma ser muito discreta, postou uma foto sua feita por um paparazzi em sua rede social. Ela explicou que fez isso para se libertar e que muitas vezes deixou de ir à praia se refrescar para fugir desse tipo de situação.

É absurdo que mulheres ainda passem por isso. E não acho que isso seja problema só das famosas. É triste que nossos corpos ainda sejam vistos como "peças" a serem analisadas. E, depois, quando reclamamos, ainda dizem que "somos mal-humoradas".