PUBLICIDADE

Topo

Xuxa, Angélica e Eliana são amigas: basta do mito da rivalidade feminina 

Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista do UOL

29/09/2020 04h00

Eu já era grande demais para ser fã da Angélica, da Xuxa ou da Eliana quando elas explodiram. Eu assistia escondido algumas vezes. Mas me lembro, e muito bem, que Xuxa e Angélica eram inimigas. "Se odiavam." No caso da Eliana, nem se questionava. Quem me disse isso? Não sei. Era o que todo mundo achava.

Todas elas, e Mara Maravilha incluída, eram sucesso com o público infantil nos anos 80/90. Pensar que elas eram inimigas, com um grande apoio da imprensa, sempre foi o óbvio.

Nunca ouvi falar que o Faustão e o Silvio Santos são inimigos. Ninguém também diz hoje que o Luciano Huck e o Otaviano Costa se odeiam. Isso porque no caso de homens, o fato de eles terem que se detestar e competir por trabalharem para públicos parecidos não costuma nem ser cogitado. Homem é parceiro. Mulher é inimiga, competitiva, traíra.

Nada disso é verdade, claro. Existe gente traíra independente do gênero, como se sabe. Mas o mito da rivalidade feminina, que está aí desde a época das cantoras do rádio (quando o Brasil se dividia em uma grande torcida de quem "era" Emilinha Borba ou Marlene), vai lá e faz todo o trabalho.

Angélica, Xuxa e Eliana surpreenderam os fãs ao rirem desse mito e darem um tapa na cara das fofocas todos esses anos depois. Domingo, elas postaram fotos e vídeos rindo abraçadas. Eliana disse que elas se encontraram para "matar as saudades". As três mandaram uma mensagem ótima para acabar de vez com esse mito de que somos inimigas e competidoras.

Só falharam em um detalhe: tiraram a foto sem máscara. Eliana disse que todas fizeram teste antes do encontro. Mas, mesmo assim, isso não se faz em época de pandemia. Também queremos abraçar nossas amigas e não podemos.

Mas, voltando à amizade. Por que elas iriam se odiar?

Quando a gente trabalha com coisas parecidas, tem amigos em comum, sabe o que é o mais normal? Que sejamos amigas, ou ao menos, tenha simpatia uma pela outra. É sério. Mas muita gente ainda acredita em mitos como:

  1. Mulheres não gostam de trabalhar com mulheres

Não é verdade. Inclusive já foi provado em pesquisa. E sabe por que adoramos trabalhar com outras mulheres? Porque elas não nos dão palestras sobre assuntos nos quais somos especialistas, como certos homens fazem. E esse é só um dos motivos.

  1. Mulheres sempre competem entre si

Mais um mito que já foi rebatido em pesquisas. Segundo estudo da Universidade de Stanford, a média das mulheres é menos competitiva que a média dos homens. Claro que isso varia de pessoa para pessoa. O que sabemos, com certeza, é que homens ainda ganham mais que mulheres. Isso sim é um absurdo. E mulheres, inclusive, estão cada dia mais unidas para combater isso.

  1. Mulheres se arrumam para outras mulheres

Quem inventou isso? Não sei, mas ouço homens falarem isso como se fosse uma certeza absoluta. Talvez eles saibam algo que eu não sei. Sabe para quem a gente se arruma? Para nós mesmas. E, sim, para impressionar um/uma crush muitas vezes. Aliás, alguns homens héteros, esses sim, parecem se vestir para outros homens, já que são preocupados com a opinião de outros homens, quando, por exemplo, deixam de usar uma peça de roupa por acharem que não é "roupa de homem".

As coisas estão mudando? Sim!!! Mas vez ou outra, podem reparar, aparece alguma briga de torcida entre Anitta e Ludmilla. Ei, uma dica: você pode gostar das duas. Ou não precisa odiar uma para amar a outra. Mulheres não são time de futebol para você tomar partido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL