PUBLICIDADE

Topo

Fabi Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trabalho e vida: o que estamos fazendo dessa relação?

A atriz Britt Lower em cena da série "Ruptura" - Divulgação/Apple TV+
A atriz Britt Lower em cena da série "Ruptura" Imagem: Divulgação/Apple TV+
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fabiana Gomes

Fabi Gomes é maquiadora e bonne vivante ? gosta de das coisas boas da vida, como artes, literatura, sexo, cinema, culinária, viagens. Está sempre atenta ao poder transformador e aos rumos da beleza.

Colunista do UOL

17/05/2022 04h00

Como anda a tua relação com o trabalho?

Faz parte da gigante onda dos quase 12% de desempregados no país? (se o país seguir nessa toada, ainda este ano entra na lista dos dez países com as maiores taxas de desemprego no mundo).

Tá no grupo dos balançadores de pernas nervosos? Daqueles que já não têm o controle do próprio corpo e vivem ansiosos, pensando nas notificações do WhatsApp e na caixa de e-mail que nunca cessa de encher?

Se tem uma coisa aflitiva e dolorosa, é participar de reuniões com funcionários, ops, colaboradores de grandes empresas ou corporações. Tanto as presenciais como as digitais. Muitos deles nunca estão efetivamente com você no rolê, na troca de ideias. Aquela ação ou projeto que tá sendo tratado ali é só mais um ponto na longa to do list (é como chamam lista de afazeres) da criatura.

É possível notar a pessoa movendo os olhos nervosamente, dando aquela olhadinha nada discreta nas telas ao redor. Como numa cena de ficção, é quase possível notar a pessoa lendo suas telas de pendências e novas demandas no ar, num movimento moto-contínuo.

O que dizer da escuta? Já parou pra pensar como tem sido difícil conseguir engatar numa conversa que faça sentido? Daquelas que você percebe que a pessoa está escutando mesmo o que você disse e respondendo de volta com alguma coisa minimamente aceitável. Quantos mal-entendidos você já aturou, porque alguém ou entendeu o que quis, ou fez aquela deliciosa leitura dinâmica do assunto? Leu com pressa, ouviu com pressa, decidiu com pressa, disse com pressa... Se liga, hein? Como diz uma amiga minha: "A pressa passa e a merda fica".

Quantas e quantas pessoas se queixando ou pelo desemprego ou dos seus empregos atuais? Seria melhor a gente pensar: quantas pessoas conhecemos que têm uma relação saudável e harmoniosa com seus trabalhos?

Se descolar do trabalho pode ser uma opção? "Ah, quando chego em casa, eu desligo". Aham, senta lá, Cláudia. Dá pra pegar no ar tua ansiedade. Nem vou entrar na seara das redes sociais aqui hoje, mas... Já sabe, né?

A água vem batendo na bunda já faz um tempo... Nossa relação com trabalho tá doente e, enquanto se balança a perna e sofre, a vida segue escorrendo. Urge ao menos tentar pensar nessa relação, ousar uma pausa para um breve questionamento sobre pra onde estamos indo com tudo isso e com tanta pressa.

Falando sobre nossa relação com trabalho, já assistiu a ótima série "Severance"? Chama "Ruptura" em português. Não? Se tá com isso do trabalho martelando por aí, vale a pena. Os obsessivos vão chorar de emoção com os planos. Atuações deleitantes de monstros como Patrícia Arquette, John Turturro e Christopher Walken, acompanhados por Adam Scott, Tramell Tillman (passivo-agressividade servida em grande estilo), Dichen Lachman e Zach Cherry. Fora isso (que não é pouco), direção, cenários, roteiro, arte e trilha estão absolutamente impecáveis.

Como não sou de dar spoiler, só digo que parece que descobriram uma fórmula interessante e bem moderna pra equilibrar trabalho e vida pessoal. Uma fórmula mágica. Pera, existe isso? Num momento no qual "o que você faz da vida" é uma das primeiras curiosidades das pessoas a respeito das outras and essa frase normalmente tá associada exclusivamente ao trabalho, é algo a se pensar. O que estamos fazendo das nossas vidas?

Ficou com vontade de prosear? Venha aqui: @fabi.gomes no Instagram!