PUBLICIDADE

Topo

Cris Guterres

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Violência política de gênero é ainda pior com candidatas negras

jacoblund/Getty Images/iStockphoto
Imagem: jacoblund/Getty Images/iStockphoto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Cristiane Guterres Camila Gaspar a convite de Cris Guterres

Cris Guterres é jornalista, empreendedora e sonhadora. Proprietária do Atrium Restaurante, palestra sobre diversidade, motivação e liderança feminina. Sua especialidade é mostrar o quanto somos fortes e podemos mudar, com competência, qualquer situação opressora ao nosso redor.

Camila Gaspar a convite de Cris Guterres

Colunista de Universa

01/12/2021 04h00

Foi dada a largada para a corrida eleitoral que elegerá cargos da esfera federal e estadual, o confronto de popularidade foi iniciado e, ainda, esse combate permanece entre homens, brancos e em sua maioria acima dos 40 anos concorrendo para cargos representativos que não representam a sociedade brasileira como ela realmente é, feita por mulheres, mulheres PRETAS! O cenário político ainda sofre com a falta das mulheres ocupando cargos importantes, quiçá mulheres pretas que vivem à margem da sociedade. É sobre isso que iremos falar hoje!

A inclusão de mulheres na política é de extrema importância, principalmente dentro de uma sociedade patriarcal e eurocêntrica. Viver em um país no qual a carreira política dá créditos somente aos homens, só afasta as mulheres fazendo com que elas não consigam se impor, incluir e ascender nas suas lutas diárias. A diversidade na política é um assunto urgente e insistir nesse assunto é o que nós, como sociedade, devemos fazer!

Angela Davis, em "Mulheres, Raça e Classe" faz uso de um conto para explicitar a importância da mulher no cenário político: Dizem que, um dia, Napoleão Bonaparte repreendeu uma dama francesa por se ocupar com política. "Majestade", ela respondeu, "em um país onde as mulheres são mortas, é muito natural que as mulheres desejem saber por que isso acontece"

O Instituto Marielle Franco realizou uma pesquisa divulgada no início de novembro, indicando que as mulheres negras candidatas a cargos políticos de 142 mulheres pretas entrevistadas de 16 partidos diferentes (sendo 91% das candidatas de partidos progressistas), 98,5% sofrem violência política.

Esse é um número muito expressivo, mas pouco se fala nesse assunto, ainda mais após o último ano de eleições municipais e o próximo ano com eleição federal e estadual.

Para além da alta porcentagem de violência sofrida, das candidatas que realizaram a denúncia, (do total foram 32,6% candidatas negras que denunciaram) 70% "indicaram que a denúncia NÃO ajudou no encaminhamento da questão e/ou trouxe mais segurança para o exercício da sua atividade político-partidária" e que 71% disseram não ter tido apoio como alguma formação sobre medidas de proteção e proteção de dados e segurança para saber mais como proceder em casos como esse, aponta o estudo realizado pelo Instituto Marielle Franco.

Fomentar esse assunto é um dever social, não compartilhar a ideia da diversidade e inclusão na política apoiando candidaturas diversas e coerentes com a realidade da sociedade brasileira é negar nosso dever de agir.

* Camila Gaspar  - arquivo pessoal - arquivo pessoal
* Camila Gaspar
Imagem: arquivo pessoal

*Camila Gaspar acredita que com um bom diálogo e compreensão muita coisa se resolve, ama falar sobre sociedade e política. Artista da dança, é formada em Direito, mediadora e conciliadora capacitada e atualmente faz pós em Bussiness, sem entender muito bem o porquê.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL