PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

"Saúde, liberdade e autoamor": Por que deixei de usar calcinha e sutiã

Lingerie não pode aprisionar ou machucar corpos - Getty Images/iStockphoto
Lingerie não pode aprisionar ou machucar corpos Imagem: Getty Images/iStockphoto
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

15/07/2021 04h00

Hoje, nesta coluna, quero revelar ao mundo que eu não uso calcinha e nem sutiã. Isso mesmo, não uso nenhum dos dois. E também espero te influenciar nessa decisão.

Para começar, homens sem graça que passarem por aqui e, por alguma razão, acharem que essa coluna é para chamar a atenção de vocês, digo uma coisa: vocês estão errados! E, homens com graça, me ajudem aí, conversem com os seus amiguinhos homens e expliquem para eles que somos donas do nosso corpo e, portanto, é nosso o direito tomar decisão sobre o que fazemos com ele, ok? Ok!

Começaremos falando da calcinha, porque eu já tenho mais experiência. Vivo sem ela há 7 anos, pelo menos.

O que me incentivou a parar de usar calcinha foram episódios frequentes de infecção urinária. Até que, um dia, encontrei uma médica maravilhosa - claro, uma mulher - e ela me propôs essa tentativa para checar se teria melhora. O fato é que, quando absorvi o hábito, passei a me perguntar o por quê de usá-la. Fui às pesquisas.

Primeiro, li que em vários períodos históricos, as mulheres não usavam calcinha, exceto no período menstrual — e, então, elas criavam ferramentas para conter o sangue, pois não existiam coletores ou coisas do tipo.

Tem mais, na época da revolução industrial, quando começaram a criar tecido sintético, as calcinhas se tornaram artigos de luxo muito dedicados à noite de núpcias. A lingerie feminina era muito mais direcionada aos homens do que pensada para o conforto e necessidade das mulheres.

Tá vendo, gente? É por isso que eu sou uma pesquisadora de moda, porque ela conta histórias. Depois desse estudo, pensei: ''Para! Eu não vou usar calcinha, muito menos calcinha sintética, muito menos calcinha de renda. Muito, muito menos fio dental — senhor, quem inventou a calcinha fio dental?''.

Vamos para a parte dois? Sim, o sutiã. Ele tem outro ponto de partida, que é o fato de eu ter peitos pequenos. Sei que tem muita gente que usa por necessidade mesmo, uma vez que tem seios grandes e precisa de sustentação. É importante que você observe o seu corpo para chegar na melhor conclusão para você, mas falo aqui do meu caso.

De um modo geral, a lingerie é utilizada ou pensada como ferramenta de controle social do corpo feminino: o que você pode e o que não pode? No caso do sutiã, é ainda mais bizarro, porque cria necessidades. Na época em que o legal era ter peitos pequenos, o sutiã amassava as mamas. Na época em que era ideal ter o peito juntinho, ele apertava. E hoje, basicamente, o ideal dos peitos são aquelas duas bolinhas, redondinhas e altas, e é por isso que há acessórios com bojo espesso para moldar completamente o formato — assim, parece que temos eternamente os peitinhos da adolescência ou aqueles que lembram próteses de silicone.

Não sou contra o bojo, nem contra recursos cirúrgicos para aumentar ou diminuir os peitos. Estou apenas propondo novas ideias. Por exemplo: você já descobriu a beleza do seu peito?

Eu não conheço todos os peitos do mundo, mas posso te garantir que não são todos redondinhos, altos, até o queixo. Tem peito de tudo quanto é jeito, auréola de tudo quanto é tamanho, tem bico do peito de tudo quanto é forma

Quando parei de usar sutiã, descobri mais uma beleza minha: meus peitos naturais. Lembrando que eu sou mãe, ou seja, já amamentei. Depois disso, passei a achá-los ainda mais bonitos. Tornaram-se mais maduros, com formato gota.

Eles também têm bicos que marcam. Eu sei que esse é um tabu muito grande, mas eu decidi o seguinte: Mundo, lide com os meus mamilos. Eu sei que tem aí os garotinhos, os homens, que vão pensar que é tesão por eles quando você passa com o bico do peito aparecendo, mas não. Se eu aprendi a aceitar e lidar com eles, aprenda também.

Tenho as minhas exceções, evidentemente. Quando eu estou com o fluxo menstrual grande, uso calcinha menstrual ou uma cueca de algodão, porque elas são muito mais confortáveis, né? Nem preciso dizer o motivo. Ponto dois: quando estou com roupa curta, também opto por usar uma cueca, desta vez mais larguinha. Ponto três: para malhar, visto um top. Ponto quatro: quando eu estava grávida e amamentando, precisava usar o sutiã também, porque os peitos crescem de uma forma abrupta.

Por último: sim, você pode amar lingeries lindas e maravilhosas. Que elas sejam ferramentas para você se sentir bela, para um momento sensual, para um momento dedicado a você e a outra pessoa que está aí, seu parceiro ou sua parceira. Mas não como peças que machucam ou são desconfortáveis.

Descubra seu corpo. Pepecas livres, ok? Ok!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL