PUBLICIDADE

Topo

Ficar sem calcinha, se masturbar: o que fazer por sua vagina no isolamento?

freemixer/Getty Images
Imagem: freemixer/Getty Images

Nathália Geraldo

De Universa

04/04/2020 04h00

Entre os cuidados que você pode ter com você mesma durante o período de isolamento social por conta da pandemia do coronavírus, deixar vagina e vulva arejadas pode ser um daqueles que você não tinha pensado.

Se, neste momento, você está trabalhando de casa, há algumas dicas da ginecologista Bel Saide — que atualiza a página no Instagram Ginecologia Natural — para despertar a autopercepção e o autocuidado relacionados à saúde íntima.

Isolamento social: o que você pode fazer por sua vagina

Vagina - Priscila Barbosa - Priscila Barbosa
Prestar atenção à saúde da vagina e da vulva durante o isolamento pode ser uma forma de autoconhecimento
Imagem: Priscila Barbosa

1. Deixar respirar

A dica é para quem está em casa e, portanto, tem a possibilidade de usar roupas diferentes das que costumava usar para ir ao trabalho ou para estudar: deixe a região vaginal arejada. "A gente geralmente usa roupa apertada, tecido sintético, calça jeans. Nestes tempos em casa, então, é bom para deixar essa área respirar, prevenindo infecções, como candidíase, e corrimentos. Fique, de preferência, sem calcinha — com uma saia ou um shortinho mais larguinho", diz a ginecologista.

2. Fique atenta à sua alimentação

A ginecologia natural pressupõe que a saúda da mulher é integrada. Por isso, é sempre importante prestar atenção na alimentação — evitar comidas inflamatórias está entre as recomendações. "Às vezes, pela ansiedade de ficar em casa, as pessoas ingerem muito açúcar, excesso de derivados de leite, com glúten, ultraprocessados. Isso inflama o corpo inteiro, e pode ser pior para a ansiedade, aliás", diz Bel. O efeito também contribui para o surgimento da candidíase — que pode surgir por vários fatores, vale dizer.

3. Hora de pegar o espelhinho

Cercadas de tabus, a vulva e a vagina nem sempre são "conhecidas" das mulheres. Assim, rola comparação estética — o que não tem sentido, já que cada uma tem uma aparência diferente — e até insatisfação com a natureza anatômica da região. Aproveite que está em casa para se atentar — com a ajuda de um espelho — ao formato da área. Quanto mais você a vir, mais ela será naturalizada.

4. Observação do ciclo menstrual e de suas emoções

Dar chance a mecanismos para conhecer o ciclo menstrual — como a mandala lunar — ou apenas reparar suas emoções (não só na TPM) também é algo que você pode fazer por si mesma. "Faça práticas de autocuidado, avalie o copo inteiro, como se sente em cada fase do ciclo menstrual e até em cada momento do dia".

5. Masturbação: o prazer de se curtir

"Masturbação é se conhecer", resume Bel Saide. Tocar o próprio corpo, com os dedos, brinquedos eróticos, é uma forma de acessar o prazer — e, não, não há problema em se masturbar todos os dias.

Aproveite o isolamento para descobrir quais são seus pontos fortes. Se você gosta de vibradores, uma lista feita por Universa pode te ajudar a sair do tédio.

6. Teste coletor menstrual, calcinha absorvente

Ter vergonha de o sangue menstrual vazar — apesar de ser um comportamento que você pode abandonar desde já — é muito comum. Portanto, se você sempre quis testar outras opções além do absorvente descartável que existem no mercado, como coletor menstrual, calcinha absorvente ou absorvente de pano, esta é a hora.

"Aí, você verá que esses métodos são seguros, mais saudáveis e confortáveis. Outra dica: nesta hora, é legal observar o próprio sangue. Essa é a profundidade da mulher com o próprio corpo que a ginecologia natural estimula".

Papo de vagina