PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O esporte ensina que "atlético" também é adjetivo para um corpo gordo

Ellen Valias compartilha o dia a dia no esporte por meio do perfil @atleta_de_peso no Instagram - Reprodução
Ellen Valias compartilha o dia a dia no esporte por meio do perfil @atleta_de_peso no Instagram Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

Colunista do UOL

08/07/2021 04h00

O mês de julho começa com os olhares direcionados aos Jogos Olímpicos de Tóquio, que aconteceriam no ano passado e foram adiados em razão da pandemia. Atletas, comissões técnicas e jornalistas de todo o mundo vacinados se reunirão, seguindo todos os protocolos, para a realização do maior evento esportivo do mundo.

Sempre enxerguei os atletas como super-humanos, ainda mais nas Olimpíadas, com quebra dos mais variados recordes a cada competição. Via corpos ágeis, fortes, superfuncionais.

Os corpos 'atléticos' sempre foram, dentro dos padrões de beleza e perfeição a que somos submetidas, lugares de referência. Então, quando pensamos nas discussões sobre corpo e vemos estruturas com 0% de gordura no esporte, é mais um reforço deste ideal estipulado

É difícil desconstruir essa ideia quando estamos, ao mesmo tempo, idolatrando o atletismo, a musculatura, a beleza desses esportistas. Se eu fosse relacionar com com a moda, diria que o esporte também é uma passarela, uma grande vitrine. Quando falamos de estilos na moda, o estilo "esportista" é um dos que estão sempre em pauta, e a construção dessa estética acontece nos espaços olímpicos e esportivos.

Portanto, imagino e vivo constantemente pensando que o corpo gordo ou o corpo não-magro não se adequa ao estilo esportista.

Por isso, achei incrível o especial "Corpo de Atleta", iniciativa do UOL Esporte que conta a história de cinco atletas olímpicos. Eles falam sobre gordofobia e explicam como aceitaram seus corpos ao perceberem que são incríveis justamente porque são gordos. Ainda há uma série de fotos, feitas pelo fotógrafo JR Duran, e um manifesto antigordofobia, reforçando que corpos são instrumentos de resistência e de vitória.

Além da importante transgressão das ideias relacionadas à forma física, também nos entrega novos lugares na moda e no estilo esportista, incorporando a beleza que existe na pluralidade.

Neste sentido, aproveito para saudar todas as pessoas, sobretudo mulheres, de movimentos como o Corpo Livre, body positive e ativismo gordo. Sigo várias, mas fazendo link com o esporte, destaco Ellen Valias, do ativismo gordo. Ela é a @atleta_de_peso, primeira que vi abordando o esporte como uma prática positiva, sem associações de punição ou emagrecimento. Ela, que também acaba de estrear uma coluna no UOL Olimpíadas, reproduz vídeos de pessoas consideradas atléticas com o corpo dela, criando um imaginário positivo para corpos gordos.

O esporte também pode e deve pertencer às pessoas gordas e fora dos "padrões sociais"

Fica o meu convite para assistirmos às competições e tentarmos construir novas referências para as formas atléticas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL