PUBLICIDADE
Topo

5G, vídeo em 8K e desbloqueio facial: as novidades do novo chip Snapdragon

Celular de referência com chip Snapdragon 8 Gen 1, da Qualcomm - Divulgação
Celular de referência com chip Snapdragon 8 Gen 1, da Qualcomm Imagem: Divulgação

Guilherme Tagiaroli

De Tilt, em São Paulo

30/11/2021 20h01Atualizada em 30/11/2021 20h25

Todo fim de ano, a Qualcomm, reconhecida por fabricar processadores de celular de várias marcas (como Samsung), apresenta uma nova linha de chips que vai equipar a próxima geração de smartphones top de linha. A novidade desta vez, apresentada nesta terça-feira (30) durante o evento Snapdragon Tech Summit, é um nome mais simples em seu carro-chefe e a possibilidade de ter um telefone que grava em 8K, funciona com 5G e trabalha com sistema mais elaborado de desbloqueio facial à la Face ID, da Apple.

Segundo a Qualcomm, os primeiros celulares com o processador Snapdragon 8 Gen 1, nome adotado pela empresa, serão anunciados ainda em dezembro deste ano. Dentre as marcas previstas para ter aparelhos com a nova tecnologia, estão Motorola, Realme, Xiaomi, Redmi —citando apenas as que têm representação no Brasil.

Apesar de a Samsung não ter se pronunciado oficialmente, o chip apresentado costuma equipar aparelhos da Galaxy S —foi assim nos últimos anos, e há a possibilidade de que ele esteja presente no futuro Galaxy S22 (nome não oficial do próximo telefone da marca sul-coreana), que pode ser lançado entre janeiro e fevereiro de 2022.

Novo nome

A empresa norte-americana quis simplificar o nome da sua linha de processadores. Antes, a companhia usava um modelo de três dígitos. No ano passado, foi apresentado o Snapdragon 888, por exemplo. A linha de 2021 agora será chamada de Snapdragon 8 Gen 1.

De acordo com a Qualcomm, a simplificação do nome, com o uso de apenas um dígito, tem como objetivo facilitar a vida da pessoa que não é especialista em celular. Assim, será possível identificar mais facilmente se o chip do smartphone é topo de linha ou não.

Via de regra, a linha de chips Snapdragon segue uma numeração crescente: quanto maior o número, mais sofisticado é. A gama de entrada começa com 4, seguida de 6, 7 e 8, que é a principal.

Por enquanto, só foi lançado o Snapdragon 8 Gen 1. A partir de 2022, a marca vai lançar novos chips com esta nova padronização.

O que tem de novo no Snapdragon 8 Gen 1

O SoC (sistema em um chip) é o "cérebro" do celular. Ele integra CPU (unidade central de processamento), GPU (unidade de processamento gráfico) e modem (que permite a conexão do aparelho à internet).

O Snapdragon 8 Gen 1 foi desenvolvido em arquitetura de 4 nm (nanômetros) —a regra é que quanto menor o tamanho, mais rápido é o fluxo de informações nele. O modelo do ano passado (Snapdragon 888) era de 5 nm.

Chip Snapdragon 8 Gen 1 - Divulgação - Divulgação
Chip Snapdragon 8 Gen 1
Imagem: Divulgação

Na prática, isso faz com que o novo Snapdragon tenha desempenho quatro vezes superior ao seu antecessor. Ele conta com um modem 5G, com velocidade máxima de até 10 Gbps (Gigabits por segundo), e wi-fi 6 (a tecnologia mais avançada de conexão sem fio).

Para quem curte foto e vídeo, o Snapdragon 8 Gen 1 permitirá gravações em 8K HDR, inclusive com efeito Bokeh (aquele em que tira o foco do fundo, ressaltando a pessoa que está em primeiro plano). Graças às melhorias de inteligência artificial, fotografar em modo escuro resultará em imagens até cinco vezes mais detalhadas, segundo a marca.

A Qualcomm diz que os telefones equipados com seu novo chip poderão tirar até 240 fotos em um segundo e terão melhores sistemas para detecção de rosto e autofoco.

Em apresentação para jornalistas, a empresa afirmou que seu processador tem suporte para desbloqueio de celular com reconhecimento facial, sem necessidade de qualquer interação.

Caso a promessa seja cumprida, é possível que os novos celulares Android tenham um sistema equivalente de segurança presente em iPhones, em que basta elevar o aparelho na altura dos olhos para liberar o acesso ao celular. Até o momento, a maioria dos smartphones com sistema do Google não tem um mecanismo sofisticado como o da empresa da maçã.

Para quem curte games, o chip possibilitará rodar jogos com uma melhoria de 30% em gráficos. A companhia diz ainda que seu sistema permite a exibição de mais frames (quadros de um jogo) sem gastar tanta energia.