PUBLICIDADE
Topo

Brasileiro Cristiano Amon é eleito novo chefe da gigante dos chips Qualcomm

Brasileiro Cristiano Amon foi eleito chefe global da Qualcomm; posse deve ocorrer no fim de junho - Divulgação/Qualcomm
Brasileiro Cristiano Amon foi eleito chefe global da Qualcomm; posse deve ocorrer no fim de junho Imagem: Divulgação/Qualcomm

Guilherme Tagiaroli

De Tilt, em São Paulo

05/01/2021 12h47

Talvez você não saiba, mas a norte-americana Qualcomm é uma das maiores desenvolvedoras de chips de smartphone do mundo. E agora terá uma liderança brasileira. Nesta terça-feira (5), a companhia anunciou que Cristiano Amon, 50, foi apontado como seu executivo-chefe global, substituindo Steve Mollenkopf, 54, que se aposentará.

Amon foi eleito por unanimidade pelo conselho administrativo da Qualcomm. Ele deverá tomar posse oficialmente no dia 30 de junho de 2021. Já Mollenkopf continuará na instituição como consultor estratégico por um período, que não foi detalhado pela instituição.

Apesar de ser conhecida pelo desenvolvimento de chips que equipam os smartphones, na verdade a Qualcomm é uma empresa fabless (sem fábrica). A companhia atua no desenho de processadores e modems para celulares que são posteriormente fabricados por parceiros, como a chinesa USI.

Segundo a consultoria Counterpoint, a Qualcomm é uma das líderes no segmento de chips para smartphone com uma participação de mercado de 29%. A empresa é conhecida por equipar os aparelhos de marcas como Samsung, Motorola e Xiaomi.

Além disso, a Qualcomm licencia suas patentes de tecnologia —o que já rendeu uma grande batalha judicial contra a Apple. Em janeiro de 2017, a "maçã" acusou a desenvolvedora de chips de fazer patentes injustas de modems de smartphones. Depois, a Qualcomm conseguiu banir o iPhone de alguns mercados e alegou que a Apple roubou tecnologias.

"Estou honrado de ser o próximo CEO da Qualcomm e agradeço a confiança que Steve [atual executivo-chefe] e o conselho administrativo tem em mim", disse Amon em comunicado de imprensa da empresa.

"Estamos na vanguarda da inovação e espero manter essa posição no futuro. Além de impulsionar a expansão do 5G (...), a Qualcomm deve ter um papel fundamente na transformação digital de vários setores, à medida que nossas tecnologias se tornam essenciais para conectar tudo à nuvem", completou Amon.

O executivo brasileiro está na Qualcomm há mais de 25 anos. Desde janeiro de 2018, ele atua como presidente executivo. No cargo, ele ficou responsável pelas áreas de semicondutores, internet das coisas, antenas de radiofrequência, sistemas automotivos, além de operações globais da companhia.

Durante sua gestão, a empresa começou a investir em uma fábrica própria no interior de São Paulo com o objetivo de manufaturar o chip para smartphone Snapdragon SiP 1. Além disso, a fábrica poderá atuar na fabricação de chips para internet das coisas e sistemas 5G.

Amon ingressou na empresa em 1995 como engenheiro e ocupou diversos cargos técnicos dentro da Qualcomm. Nascido em Campinas (99 km de São Paulo), ele é formado em engenharia elétrica pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e doutor honorário pela mesma universidade.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, o executivo brasileiro está na Qualcomm há mais de 25 anos. Anteriormente, o texto dizia 15 anos. O erro foi corrigido.