PUBLICIDADE
Topo

Hubble detecta vapor de água em Europa, uma das luas de Júpiter

A descoberta de vapor de água em Europa revela novas pistas sobre os satélites gelados que existem no sistema solar - NASA/JPL-Caltech/SETI Institute
A descoberta de vapor de água em Europa revela novas pistas sobre os satélites gelados que existem no sistema solar Imagem: NASA/JPL-Caltech/SETI Institute

Colaboração para o UOL, em Santos

18/10/2021 15h50Atualizada em 18/10/2021 15h50

O Telescópio Espacial Hubble, da Nasa, detectou vapor de água na lua oceânica de Júpiter, Europa, revelando novas pistas sobre os satélites gelados que existem em nosso sistema solar.

O Hubble já havia detectado vapor de água em Europa, em plumas aparentes que surgem esporadicamente e se estendem temporariamente por cerca de 200 quilômetros no espaço a partir da superfície de gelo da lua. Essa crosta gelada cobre um imenso oceano de água líquida. Mas a nova descoberta é algo bem diferente.

Lorenz Roth, pesquisador do KTH Royal Institute of Technology em Estocolmo, Suécia, analisou imagens ultravioleta de arquivo de Europa, que o Telescópio Espacial Hubble fez com seu telescópio de imagens espectográficas em 1999, 2012, 2014 e 2015.

Esta análise revelou a existência de quantidades significativas de vapor de água no hemisfério posterior de Europa - aquele que fica de frente para o caminho orbital da lua ao redor de Júpiter. Esse vapor de água persistiu a longo prazo, ao contrário das plumas transitórias, segundo estudo publicado por ele no mês passado, na revista Geophysical Research Letters.

Roth e seus colegas usaram recentemente uma técnica semelhante para localizar vapor de água em Ganimedes, o satélite de Júpiter, a maior lua do sistema solar.

"A observação do vapor de água em Ganimedes e no lado posterior de Europa aumenta nossa compreensão da atmosfera das luas geladas", disse Roth em um comunicado. "No entanto, a detecção de uma abundância de água estável em Europa é um pouco mais surpreendente do que em Ganimedes, porque as temperaturas da superfície de Europa são mais baixas do que as de Ganimedes, explicou o cientista."

Europa reflete a luz do sol de forma mais eficaz do que Ganimedes e, portanto, é cerca de 33º C mais fria do que a lua maior, disseram funcionários da Nasa. As temperaturas na Europa chegam a -160º C, mas uma boa quantidade de gelo parece estar se sublimando na lua, se transformando em vapor e flutuando para o espaço.

Para aumentar o mistério, a razão de esse vapor d'água estar confinado ao hemisfério de Europa ainda não está claro.

Em outubro de 2024, a Nasa planeja lançar uma sonda chamada Europa Clipper, que chegará ao sistema de Júpiter em abril de 2030. A espaçonave fará dezenas de sobrevoos próximos à lua Europa, estudando seu oceano e sua camada de gelo.

A Europa Clipper também explorará locais de pouso para uma missão de busca por vida, que o Congresso dos EUA ordenou que a Nasa desenvolvesse, embora esta última missão ainda não esteja oficialmente nos registros da agência espacial americana.