PUBLICIDADE
Topo

WhatsApp testa fotos e vídeos autodestrutivos no iPhone; veja como funciona

iStock/Getty
Imagem: iStock/Getty

De Tilt*, em São Paulo

12/07/2021 10h56Atualizada em 12/07/2021 12h44

O WhatsApp liberou em sua versão de testes para iPhone uma função aguardada há muito tempo: envio de mídias autodestrutivas, que somem automaticamente depois de visualizadas.

Segundo informações do site "WABetaInfo", que costuma antecipar novidades e acertar rumores, a novidade vale para fotos e vídeos, que só podem ser visualizados uma única vez. O teste foi liberado na versão 2.21.140.9 do WhatsApp para o iOS.

Ao optar por enviar uma foto autodestrutiva, por exemplo, um cronômetro localizado no campo de entrada da legenda vai surgir. No texto de notificação que explica o uso recurso, existe um alerta lembrando que pessoas ainda vão poder tirar prints de tela.

Em abril, a novidade já havia sido encontrada na versão de testes para o Android.

Captura de tela do recurso de mídias que se autodestrõem do WhatsApp; ferramenta avisa que usuários ainda poderão dar print - Reprodução/WABetainfo - Reprodução/WABetainfo
Captura de tela do recurso de mídias que se autodestrõem do WhatsApp; ferramenta avisa que usuários ainda poderão dar print
Imagem: Reprodução/WABetainfo

Não foram divulgados mais detalhes sobre as mídias autodestrutivas. Mas, como é um recurso aguardado há muito tempo, é capaz de o WhatsApp liberá-lo em breve.

O site informa que ela deve aparecer "numa atualização futura", tanto para Android quanto para iOS.

Privacidade

Recentemente, o aplicativo de mensagens mais utilizado do mundo tem investido mais em questões relacionadas à privacidade.

Em novembro, por exemplo, foram lançadas as chamadas "mensagens temporárias" do WhatsApp, que desaparecem num prazo de sete dias.

No caso das mídias autodestrutivas, concorrentes como o Telegram e o Signal já possuem a função há algum tempo.

Como as demais novas funções do WhatsApp, ela deverá aparecer primeiramente na versão beta do aplicativo. Para ter acesso a essa versão, é preciso se inscrever no programa de testes do app.

*Com matéria de Aurélio Araújo