PUBLICIDADE
Topo

Nasa divulga regras para impedir que humanos contaminem a Lua e Marte

Nasa pretende levar humanos para a Lua até 2024 - Nasa/AFP
Nasa pretende levar humanos para a Lua até 2024 Imagem: Nasa/AFP

Bruna Souza Cruz

De Tilt*, em São Paulo

11/07/2020 12h51

Os planos para o envio de humanos para a Lua e Marte ainda estão distantes, mas a Nasa, agência espacial norte-americana, já quer se antecipar em relação aos riscos de contaminação que as futuras missões tripuladas poderão oferecer.

Nesta semana, a Nasa divulgou duas diretrizes em sua política de proteção planetária. A primeira abrange o controle de contaminação biológica durante etapas de missões humanas e de robôs na Lua, como alunissar (pouso na Lua), orbitar, sobrevoar.

"Estamos habilitando nosso importante objetivo de exploração sustentável da Lua e, ao mesmo tempo, salvaguardando a ciência futura nas regiões permanentemente sombreadas", disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da diretoria de missões científicas da Nasa.

Segundo as diretrizes, cada parte da Lua terá uma abordagem diferente e de cuidados. Por exemplo, regiões que possam ter chances de ter água e onde a sonda Apollo alunissou serão mais controladas pelos cientistas. Nos casos de missão tripulada, um inventário biológico completo poderá ser necessário.

O plano da Nasa é enviar a primeira mulher e o próximo homem para a Lua até 2024.

A segunda diretriz determina algumas bases para missões humanas em Marte. Por falta de conhecimento ainda sobre o planeta, a Nasa não explicou detalhadamente as precauções que deverão ser tomadas. Mas a medida reforça a importância de que Marte seja protegido enquanto é explorado. E isso poderia envolver regras para dinâmicas de quarentena e eliminação de resíduos.

"Este DNI [documento] vai permitir a exploração humana de Marte, criando novas oportunidades para a ciência inspiradora e atividades comerciais inovadoras. Acredito que a ciência e a exploração humana são empreendimentos complementares e estou entusiasmado por ver essas reformas políticas abrirem uma nova era de descoberta", afirmou Jim Bridenstine, administrador da agência espacial.

Neste mês, Estados Unidos, China e, o novato, Emirados Árabes Unidos lançarão missões em direção a Marte. Eles aproveitarão o alinhamento da Terra e do Planeta Vermelho, que acontece a cada 26 meses, e que tem menos riscos de fracasso.

*Com informações do site Science Alert