PUBLICIDADE
Topo

Celulares Samsung medem saturação de oxigênio; isso ajuda a detectar covid?

Vídeo que circula no WhatsApp mostra cálculo de saturação de oxigênio em celulares Samsung - Reprodução
Vídeo que circula no WhatsApp mostra cálculo de saturação de oxigênio em celulares Samsung Imagem: Reprodução

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

25/06/2020 04h00Atualizada em 25/06/2020 12h41

Sem tempo, irmão

  • Em redes sociais, vídeo ensina a aferir saturação de oxigênio em celulares da Samsung
  • Especialistas apontam que resultado pode ter até 20% de erro
  • Smartphones utilizam técnica diferente do oxímetro para obter os dados
  • Recomenda-se não confiar em resultados de aparelhos não validados por Anvisa e Inmetro
  • Samsung diz que não deve ser usado para diagnóstico, tratamento ou prevenção de doenças

A crise do novo coronavírus causou um aumento na procura pelo oxímetro, aparelho que mede a saturação de oxigênio no sangue —uma das formas de perceber a doença no corpo. Como alternativa ao produto, circulou nas redes sociais um vídeo que ensina a fazer essa medição com o app Samsung Health, em celulares da Samsung. Mas segundo especialistas, o recurso não substitui exames médicos.

De acordo com o vídeo, a aferição pode ser realizada após se ativar a função "estresse" do Health e colocar o seu dedo em um sensor ao lado da lente da câmera traseira. A ferramenta não está disponível em todos os aparelhos da Samsung, mas em smartphones top de linha como os da linha S e Note lançados nos últimos anos.

Aí vem a pergunta: se você tiver um desses smartphones que trazem o medidor de saturação de oxigênio, não precisa comprar oxímetro? Calma que não é bem assim.

"Nenhum aplicativo de celular funciona. Nenhum tem qualidade médica, precisão ou pode ser usado em uma situação onde você tenha dependência dele para uma decisão", destaca o biomédico Renato Sabbatini, um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde.

De acordo com Sabbatini, os resultados obtidos por meio de aferições no celular chegam a errar o diagnóstico em até 20%, quando o tolerável é algo em torno de 2%. A própria Samsung admite que os celulares vendidos no Brasil não têm o sensor necessário para a medição.

Em resposta a Tilt, a empresa afirmou que "conforme orientado nos termos e condições de uso, o Samsung Health destina-se apenas a condicionamento físico e bem-estar e não deve ser usado para diagnóstico, alívio, tratamento, cura ou prevenção de doenças ou outras condições".

Além disso, a Samsung apontou que "qualquer informação encontrada, obtida ou acessada por meio do Samsung Health é disponibilizada apenas para a comodidade do usuário e não pode ser considerada como orientação médica".

Por que não funciona?

Usando um fotorreceptor, o oxímetro mede a saturação do sangue e batimentos cardíacos com dois comprimentos de onda: um na luz vermelha e um no infravermelho.

O aparelho lê o quanto de luz atravessou aquela região do corpo e, a partir desses dados, detecta a quantidade de oxi-hemoglobina e a hemoglobina sem oxigênio. Depois disso, um cálculo do aparelho determina quanto foi absorvido de um dos comprimentos e traz a porcentagem da saturação de sangue.

"Se você acender uma lanterna e colocar seu dedo, o outro lado do dedo acende. A medida da saturação do oxigênio é feita em função dessa ideia. A luz, quando atravessa uma parte fina do nosso corpo, tem componentes absorvidos", explica Júlio Lucchi, Doutor em Engenharia Eletrônica, Computação e Coordenador Geral da pós-graduação do Instituto Mauá de Tecnologia

Enquanto o oxímetro usa a oximetria de transmissão, os smartphones utilizam a de reflexão, ainda não tão bem aceita na medicina. Nesse segundo tipo, a ideia é a de que as luzes, além de atravessar o tecido, também são refletidas pela ponta do dedo. Assim, ao colocar um receptor para captar essa luz refletida, é possível calcular a saturação do oxigênio.

Para seguir esse método, aplicativos de terceiros usam o flash da câmera do celular como um emissor de luz e a lente da câmera como receptor. Segundo o site The Verge, até mesmo um app para iPhone chamado Pulse Oximeter fazia isso, mas foi retirado da App Store. No caso da Samsung, o sensor emite luz vermelha e faz essa dupla função.

Os problemas já começam na luz emitida pelo flash. "A luz branca tem todos os comprimentos de onda, todas as cores estão ali. Não se sabe em que proporção isso está deixando difícil auferir", explica Júlio Lucchi. Mesmo o sensor da Samsung criado para esse fim não é algo 100% confiável, segundo o especialista.

Por exemplo, se a unha estiver com esmalte, a maior parte da luz será refletida em vez de atravessar o dedo, gerando um dado equivocado. "Estaria chegando uma dupla reflexão no sensor. Dependendo da cor do esmalte, a luz reflete ainda mais", explica.

Os smartphones também não contam com calibração para aferir a saturação de oxigênio nem passaram pela aprovação da Anvisa e do Inmetro, que regulam e garantem que um oxímetro está funcionando corretamente.

Quais os riscos de uma medida equivocada?

Um dos principais problemas de usar o celular para aferir a saturação de oxigênio é obter um resultado falso, o que faria os usuários tomarem decisões equivocadas, como corridas desnecessárias ao pronto-socorro.

Já Renato Sabbatini aponta outro problema: um relaxamento equivocado do paciente. "Um dos principais problemas é o falso negativo, que pode deixar a pessoa a vontade, não alertada, mas na verdade ela está passando por uma coisa crítica", ressalta.

Além disso, a aferição deve ser vista apenas como um dado complementar aos exames clínicos. "Não adianta ter um oxímetro na mão de um leigo que não vai saber como interpretar", afirma o pneumologista Rodrigo Santiago, especialista pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

Já o professor de pneumologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Clystenes Soares acredita que o celular até pode ser um sinal ao paciente em certos casos. Por exemplo, se uma pessoa já se media regularmente e foi diagnosticada com Covid, uma falta de ar pode apresentar no app valores muito abaixo do habitual.

"Sinceramente eu não dou a mesma credibilidade que um oxímetro, mas as vezes a medida até fica próxima. Quem não tem o oxímetro pode usar como referência. Se sua saturação nesse dispositivo estava boa e agora caiu muito, isso tem que ser valorizado. Mas se você está na dúvida, não use", destaca.

Errata: o texto foi atualizado
O sensor usado em celulares samsung para medir a saturação do sangue não é o mesmo usado para reconhecimento de impressão digital. O texto foi corrigido.