PUBLICIDADE
Topo

Cidade fantasma ou do futuro? Entramos em projeto bilionário de Abu Dhabi

Masdar City conta com testes de veículo autônomo, que circula em uma rota determinada dentro do local - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Masdar City conta com testes de veículo autônomo, que circula em uma rota determinada dentro do local Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro

De Tilt, em Abu Dhabi (Emirados Árabes)*

09/12/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • Visitamos Masdar City, projeto bilionário em Abu Dhabi que visa moldar cidades
  • Local quer misturar tecnologias e urbanismo para criar cidade sustentável
  • Há tecnologias de energias renováveis e até carros autônomos por lá
  • Mas obras estão atrasadas e há impressão mais de "laboratório" do que cidade
  • Emirados passam por mudança de cultura e querem continuar exportando energia

Se você pensa nos Emirados Árabes, é provável que pense em cidades tecnológicas, mas não sustentáveis. O país fez nascer desde áreas irrigadas no meio do deserto até o prédio mais alto do mundo graças aos lucros da indústria petrolífera. Mas tem também, em uma de suas principais cidades, uma área reservada para a "cidade do futuro" focada em soluções "verdes". Tilt entrou nesse rolê futurístico e conta o que viu.

A Masdar City fica em Abu Dhabi e é parte de uma empreitada do governo local para gerar lucro com energia renovável. Já percebendo a guinada mundial contra combustíveis fósseis e a própria limitação da extração, os Emirados querem se manter relevantes na exportação mundial de energia —e Masdar City acaba sendo, mais do que uma cidade do amanhã, um "showroom bilionário".

Por lá, rola um dos maiores e mais caros experimentos de projeto urbano mundial na atualidade. A área reservada para a construção da cidade é de nada menos que seis quilômetros quadrados, o que corresponde ao triplo do principado de Mônaco, por exemplo. Mas, na prática, o protótipo urbano ainda é recheado de vácuos —no caso, literalmente.

Entre a cidade fantasma e do futuro

A construção da cidade foi iniciada em 2008 e começou a ser ocupada em 2010, com gasto total das obras na época estimado entre US$ 18 bilhões e US$ 22 bilhões (entre R$ 74 bilhões e R$ 91 bilhões). Sua locação é privilegiada, próximo ao aeroporto de Abu Dhabi —de propósito, já que o objetivo é estar aberta a visitantes.

Agora, quase dez anos após esse marco, a impressão inicial de entrar nos perímetros da Masdar City é que falta muito ali para levarmos em consideração como uma "cidade do futuro". É, em alguns pontos, mais uma cidade fantasma.

Masdar City ainda é cercada de construções e tem previsão de conclusão apenas para 2030 - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Masdar City ainda é cercada de construções e tem previsão de conclusão apenas para 2030
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

A previsão inicial de conclusão do local foi, devido à crise mundial que assolou até os magnatas do petróleo no início da década, sendo postergada para 2020, 2025, 2030... Vendo de fora, o local parece um enorme descampado com algumas construções no centro. Mais areia do que cidade do futuro, de fato.

Ao entrar na Masdar City, é possível ver enormes áreas ainda praticamente sem nada, apenas deserto. É bem verdade que muitos funcionários estão ali trabalhando e foi possível observar guindastes pelo caminho, mas não se vê tantas construções que deem a ideia da ocupação total da área a curto prazo.

Prédio da Siemens no centro da Masdar City tem sustentabilidade nos detalhes - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Prédio da Siemens no centro da Masdar City tem sustentabilidade nos detalhes
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

A verdade é que a cidade imaginária ainda não saiu do papel como a Masdar —uma subsidiária de uma companhia de desenvolvimento local— imaginava. Mas o seu centro já traz algumas projeções do que ela pode ser daqui a uma década, ou algumas mais.

Arquitetura antes da tecnologia

Por trás da construção está a intenção de que ela seja totalmente sustentável e não tenha impactos ambientais, sendo neutra em carbono. Essa estratégia já é aplicada na área central da Masdar City, onde um conjunto de prédios forma uma pequena cidade —entre eles, um prédio da companhia de energia local, uma universidade de ciência e tecnologia e a sede regional da Siemens.

Masdar City diz colocar arquitetura na frente da tecnologia - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Masdar City diz colocar arquitetura na frente da tecnologia
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

A previsão de que 50 mil pessoas estariam vivendo ali rodeadas de 1.500 empresas em uma década passou longe, com uma ocupação na casa dos poucos milhares atualmente e cerca de 600 empresas com alguma operação ali.

No centro, é possível ver que o design sustentável começa pela arquitetura. As ruas são mais apertadas e prédios ficam próximos uns dos outros, algo bem diferente do que costuma ser visto em Dubai e Abu Dhabi. A intenção é deixar o local mais amigável para pedestres em meio ao forte calor que costuma fazer por lá, inspiração que não é nenhuma novidade.

Ar-condicionado e tecnologias nos deixaram preguiçosos. Você faz o mesmo prédio em Abu Dhabi, Munique... Tomamos inspiração de pessoas que vivem em lugares quentes há milhares de anos. Aqui a arquitetura vem antes da tecnologia
Steve Severance, chefe de gerenciamento de programa e marketing da Masdar.

Outros recursos também são utilizados para o bem-estar de quem circula por ali. Há, por exemplo, uma "torre de vento". Isto é, na prática, um cone que sai de uma altura acima dos prédios e desce em direção ao solo, incentivando a circulação de ar entre os prédios.

Centro da Masdar City conta com uma "torre de vento" - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Centro da Masdar City conta com uma "torre de vento"
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Ao entrar em alguns edifícios da área central, é possível ver que a sustentabilidade também se encontra em outros detalhes da arquitetura. Os elevadores são escondidos e as escadas são colocadas mais à mostra para que sejam mais usadas. Já o prédio da Siemens, por exemplo, conta com escadas de incêndio fora do prédio —algo comum em Nova York e que retira a necessidade de um sistema de ar isolado para esses ambientes.

As tecnologias

É claro que a Masdar também conta com tecnologias. Há, por exemplo, uma área que de longe parece um lago azul, mas que na verdade é um campo de produção de energia solar. A intenção é aproveitar o constante sol do deserto para energizar toda a cidade.

Ao fundo, é possível ver o que se parece um lago azul - mas, na verdade, são vários painéis solares - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Ao fundo, é possível ver o que se parece um lago azul - mas, na verdade, são vários painéis solares
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

A companhia trabalha com qualquer tipo de energia renovável —seja solar, eólica, sistemas de baterias e armazenamentos de energia. A Masdar tem projetos nacionais e internacionais em países como o Reino Unido, Bélgica, Sérvia, países da África e outros.

Há, também, tecnologias para transporte sendo trabalhadas na cidade. Desde 2009 há testes de carros autônomos e com zero carbono no local —a versão mais nova do veículo não tem sequer espaço para motorista e é como se fosse um ônibus autônomo, com espaço para oito lugares.

A intenção inicial de Masdar era de criar uma zona livre de carros privados —apenas transporte público, bicicletas e afins seriam a solução da cidade do futuro. Mas o revolucionário sistema de espécies de "trens pessoais rápidos", que circula por baixo da Terra em rotas pré-determinadas em alta velocidade com capacidade para poucas pessoas, teve a construção empacada por causa do altíssimo preço.

Ônibus autônomo sequer tem área para motorista sentar - há espaço apenas bancos de passageiros - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Ônibus autônomo sequer tem área para motorista sentar - há espaço apenas bancos de passageiros
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

O estado atual da cidade gera críticas de quem via o local como realmente uma prova de que o mundo poderia dar uma guinada sustentável —o projeto era apoiado por entidades como a Agência Internacional para as Energias Renováveis (Irena, na sigla em inglês). A impressão final é de que é, por enquanto, mais um laboratório ou uma exposição de tecnologia para visitantes conhecerem a Masdar, e não uma cidade de fato.

Mudança de cultura dos Emirados

Ao menos a Masdar representa uma mudança de cultura dos Emirados Árabes. A Siemens, cita que uma das dificuldades ao atuar em países do tipo é que a energia não é tão precificada, o que faz as pessoas consumirem mais, já que não pensam no valor agregado. Tanto combustíveis quanto energia quase que literalmente brotam do chão por lá. Isso já vem mudando.

Cidade é planejada para ser viável para ciclistas e pedestres - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Cidade é planejada para ser viável para ciclistas e pedestres
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

"A energia era muito barata na região, tanto para carros quanto casas. Ninguém ligava para os gastos. A região está sendo educada agora a precificar a energia. Isso muda o comportamento das pessoas e aumenta a eficiência", aponta Dietmar Siesdorf, executivo-chefe da Siemens no Oriente Médio.

Os países do Oriente Médio, como os Emirados Árabes, estão no Acordo de Paris assinado em 2015, que estabelece metas para a diminuição de combustíveis fósseis. Dessa maneira, são obrigados a realizarem essa mudança de cultura.

A Masdar é ainda uma antecipação desse movimento. Entretanto, sua promessa de cidade sustentável e do futuro segue mais um laboratório do que uma realidade que podemos replicar em outros locais. .

*O repórter viajou a convite da Siemens

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Inovação