Topo

Muito além do G8: reveja celulares clássicos da Motorola ao longo dos anos

Moto G8 Plus e Moto G8 Play - Divulgação
Moto G8 Plus e Moto G8 Play Imagem: Divulgação

Raphael Evangelista

Colaboração para Tilt

25/10/2019 15h56

A Motorola surpreendeu ao lançar na quinta-feira (24) seus mais novos modelos da popular linha Moto G: o Moto G8 e o Moto G8 Play. Alguns dos destaques dos novos modelos são câmeras triplas, design mais parecido com os Motorola One e a tecnologia Qaud Pixel que melhora fotos noturnas.

O lançamento fugiu um pouco dos padrões da marca, que geralmente lança um aparelho da linha Moto G por ano. Em fevereiro de 2019 vimos o Moto G7 e agora as novas versões vêm para aquecer as vendas de fim de ano da empresa.

Se você é um fã da Motorola e se empolgou com os lançamentos, trazemos aqui outros celulares que ainda ficam na lembrança de muita gente.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Moto G1

O "paizão" da linha Moto G, lançado em 2013, chegou como um aparelho de custo acessível que vinha para concorrer com outros aparelhos mais sofisticados e oferecia praticamente as mesmas funções. Tinha memória interna de 8 GB sem possibilidade de expansão e câmera em HD. Foi o primeiro smartphone de muita gente.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Reprodução
Imagem: Reprodução

StarTac

Uma revolução na época em que foi lançado. Não é à toa que ele é o pai dos celulares com flip e seu nome é até hoje referência do tipo de modelo. Um verdadeiro símbolo de status no começo dos anos 90.

RAZRi

Lançado em 2012 para ser um modelo top de linha, acabou se mostrando na verdade um celular intermediário. Suas configurações ficavam bem parelhas com celulares como o Galaxy S2 e o S3, por exemplo. De qualquer maneira, ele teve uma grande importância. Foi o primeiro a ter o processador Atom, fabricado pela Intel —mais conhecida pelos chips de computador— e um dos primeiros a usarem o resistente acabamento em fibra de kevlar, que apareceriam depois em aparelhos como o Moto X Force e o Moto Maxx.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Spice

Um dos grandes objetivos do Spice XT-300 era atrair o público jovem com aparelhos mais baratos e com desempenho bem satisfatório, como esse. Apesar de ser simples —a câmera não tinha flash, só para se ter uma ideia— servia bem para uma navegação em redes sociais e era bem compacto quando estava com seu flip fechado.

Reprodução
Imagem: Reprodução

V100

Lançado no começo dos anos 2000, a ideia dele era atingir um público mais corporativo e ser uma versão de bolso dos laptops. Era até bem bonitinho, mas não passava de uma agenda eletrônica de luxo.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Razr V3

Um verdadeiro clássico. Por onde você andava entre 2004 e 2005, via alguém ostentando esse lendário telefone, que tinha uma tela multimídia bem impressionante e câmera bastante eficiente nos tempos pré-smartphone.

Reprodução
Imagem: Reprodução

U9

Este também foi um aparelho bastante desejado e seu design que mostrava a música que estava tocando nele mesmo sem abri-lo. Foi algo inovador para a época onde os celulares começavam a se mostrar um aparelho muito mais multimídia do que apenas para fazer ligações.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Zn200

Este foi um telefone com uma tela colorida bem pequena e câmera de 2 MP. Bonito e com flip bem diferente, era também um player de mp3 bastante decente, uma vez que nele já era possível acrescentar cartão de memória.

Reprodução
Imagem: Reprodução

C115

Bem compacto, com formato que cabia no bolso, chegou para competir com outros aparelhos que faziam muito sucesso na época, como o "Nokia tijolão" (3310) e o Siemens A50.

Reprodução
Imagem: Reprodução

C200

Também na mesma onda, o C200 foi bastante popular, especialmente por ser um aparelho que era comercializado junto com planos pré-pagos de várias operadoras. Além desse característico relógio na tela de descanso, contava com o famoso jogo da cobrinha.

Reprodução
Imagem: Reprodução

V70

Se tem uma coisa que a Motorola sempre fez muito bem, foi inventar moda no quesito design. O V70 foi uma verdadeira revolução no estilo de celulares flip, com esse que abria e girava de maneira bem diferente do tradicional flip. Entretanto, muita gente reclamava que foi compacto até demais, pois era bem difícil digitar nas teclas pequenas dele.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Smartphone