Topo

Google suspende pesquisa de melhoria de reconhecimento facial após polêmica

Colaboradores da empresa estariam recolhendo dados com moradores de rua de Atlanta e estudantes que acreditavam testar um novo app; ideia da empresa, que assegura ter cobrado transparência de pesquisadores, é evitar o viés racial na identificação facial de usuários do Pixel 4 - Reprodução
Colaboradores da empresa estariam recolhendo dados com moradores de rua de Atlanta e estudantes que acreditavam testar um novo app; ideia da empresa, que assegura ter cobrado transparência de pesquisadores, é evitar o viés racial na identificação facial de usuários do Pixel 4 Imagem: Reprodução

Do Tilt, em São Paulo

07/10/2019 12h57

O Google está suspendendo temporariamente a pesquisa de melhoria de sua tecnologia de reconhecimento facial para o Pixel 4, smartphone da empresa que deve ser apresentado ainda em outubro de 2019. A informação foi divulgada pelo jornal New York Daily News na última sexta-feira e confirmada por veículos como The New York Times e The Verge.

De acordo com o diário, a empresa financiou um projeto de reconhecimento facial que utiliza de "táticas dúbias" com o objetivo de recolher dados de pessoas, incluindo tons de pele. A meta era construir um banco de dados para que o Pixel 4 não sofra com viés racial na identificação do usuário. Antes, a tecnologia de reconhecimento facial apresentou problemas para identificar pessoas de pele mais escura.

Reportagens apontam que uma colaboradores do Google ofereceram créditos para presentes de US$ 5 a pessoas que aceitassem ceder uma imagem escaneada de seu rosto para o banco de dados. A principal polêmica envolveu uma agência contratada pela empresa, que buscava imagens de moradores de rua em Atlanta e que persuadia estudantes sob o pretexto de testar um novo aplicativo.

Nina Hickson, promotora da cidade de Atlanta, comunicou o Google por e-mail a respeito da situação envolvendo os moradores de rua. "A possibilidade de que membros de nossas populações mais vulneráveis estejam sendo exploradas para o avanço dos interesses comerciais de sua companhia são profundamente alarmantes por numerosas razões", disse a promotora no texto.

Originalmente, o Google alegou que a ideia era assegurar que o desbloqueio por reconhecimento facial do Pixel 4 trabalharia com diversos traços do rosto, sem incluir entre eles o tom da pele.

Porém, a empresa informou que o programa foi suspenso e que uma investigação foi aberta após a divulgação da história. Embora a decisão não confirme alegações individuais, o Google teria afirmado, segundo o The Verge, que as questões apontadas são "muito perturbadoras".

Ao site, o Google afirmou que "assegurou-se de ter oferecido orientações aos pesquisadores a respeito da transparência com as pessoas das quais se aproximaram para o escaneamento facial". "Estamos levando as questões muito a sério e investigando-as", afirmou a empresa em nota.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Tilt