PUBLICIDADE
Topo

Efeito Trump? Twitter faz pesquisa para saber o que fazer com presidentes

Presidente Jair Bolsonaro assiste a entrevista coletiva do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump - Reprodução/Facebook
Presidente Jair Bolsonaro assiste a entrevista coletiva do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Imagem: Reprodução/Facebook

Washington

19/03/2021 19h04

O Twitter anunciou nesta sexta-feira (19) o início de uma pesquisa com seus usuários ao redor do mundo sobre as regras para os líderes mundiais.

A rede social também lançou uma consulta com ativistas de direitos humanos, organizações da sociedade civil e acadêmicos para atualizar seus regulamentos sobre o assunto.

Junto com outras redes sociais, o Twitter excluiu o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump por comentários que fez durante seu mandato e que foram percebidos como instigadores do violento ataque ao Congresso americano em janeiro.

A proibição foi criticada por apoiadores de Trump, enquanto outros apontaram que o Twitter deveria ter tomado a medida antes, apesar de sua política de dar corda solta às publicações de líderes mundiais ou noticiosos.

"A forma como os políticos e funcionários do governo usam nosso serviço está em constante evolução. Queremos que nossas ações permaneçam relevantes para a natureza em constante mudança do debate político no Twitter e protejam a saúde da conversa pública", escreveu a equipe do Twitter responsável pela segurança.

"É por isso que estamos revisando nossa estratégia em relação aos líderes mundiais e estamos buscando suas contribuições".

O estudo será realizado em 14 idiomas, incluindo espanhol, inglês, francês, árabe, chinês e russo, até o dia 12 de abril.

"De forma geral, queremos saber se o público acredita que os líderes mundiais devem ou não obedecer às mesmas regras que os outros no Twitter. E se um líder mundial violar uma regra, que tipo de ação é apropriada", diz o comunicado.

A pesquisa faz parte de uma consulta mais ampla sobre as regras do Twitter sobre o tratamento de figuras políticas.

"Também estamos em processo de consulta com uma série de especialistas em direitos humanos, organizações da sociedade civil e acadêmicos em todo o mundo, cujas contribuições serão refletidas em futuras revisões de nossa estrutura regulatória", assegurou a rede social.