Conteúdo publicado há 2 meses

Filho de Gal comemora decisão da Justiça, e Wilma rebate: 'Terá que provar'

A defesa de Gabriel Costa Penna Burgos, 18, filho de Gal Costa, comemorou a decisão da Justiça pela apuração da morte da cantora.

"Cabe lembrar que o Samu já emitiu nota dizendo que não atestou a causa da morte, cabendo à médica que assina o óbito esclarecer as circunstâncias que a levaram a declarar "infarto agudo do miocárdio" e "linfoma de pescoço e cabeça". Cabe, ainda, esclarecer "por que o corpo não se submeteu ao exame de autópsia", diz nota enviada a Splash.

Por outro lado, ele vai recorrer da decisão que negou o traslado do corpo da artista para o Rio de Janeiro. "Wilma não desconhecia a vontade de Gal Costa de ser sepultada junto com a sua mãe, Mariah, em jazigo por ela adquirido no Rio de Janeiro. Desta forma, a defesa de Gabriel Costa recorrerá da parte da decisão judicial que não deferiu o traslado do corpo de Gal Costa ao Rio de Janeiro".

Já a defesa de Wilma Petrillo diz que não teve acesso aos autos do processo que pede a exumação e que todo o prontuário médico de Gal está no hospital Albert Einstein, onde ela fez tratamento para o câncer. "Curioso Gabriel jamais ter pedido acesso a tais prontuários e nem mesmo procurado os médicos que trataram da mãe. As acusações de Gabriel para Wilma são muito sérias e ele terá que prová-las", diz a nota enviada a Splash.

A empresária "jamais" vai se opor a qualquer investigação, segundo sua defesa. "Sendo assim e, tendo plena consciência do que, infelizmente, levou Gal a óbito, Wilma jamais vai se opor a qualquer investigação, muito pelo contrário",

O texto também diz que o corpo de Gal foi sepultado em São Paulo pois ela morava na cidade, ela cidadã paulistana e é onde vivem filho e viúva. "No que tange ao fato de Gal ter sido enterrada em SP, trata-se de uma decisão que levou em conta a vontade da própria cantora, que escolheu SP como sua cidade do coração para viver até o fim da vida, tinha título de cidadã paulistana e fez sentido ser enterrada na cidade onde moram sua viúva e seu filho".

Leia as notas na íntegra

Nota da defesa de Gabriel Costa

As advogadas de Gabriel Costa saúdam a decisão da Justiça que determina a apuração da causa da morte de Gal Costa, uma das maiores cantoras do Brasil. Sua família e seus fãs têm o direito de saber a verdade dos fatos.

Continua após a publicidade

Cabe lembrar que o Samu já emitiu nota dizendo que não atestou a causa da morte, cabendo à médica que assina o óbito esclarecer as circunstâncias que a levaram a declarar "infarto agudo do miocárdio" e "linfoma de pescoço e cabeça". Cabe, ainda, esclarecer porque o corpo não se submeteu ao exame de autópsia.

Outro fato que caberá à autoridade policial investigar são as razões pela qual Wilma Petrillo segregou o corpo de Gal Costa em cemitério na capital paulista. Wilma não desconhecia a vontade de Gal Costa de ser sepultada junto com a sua mãe, Mariah, em jazigo por ela adquirido no Rio de Janeiro.

Desta forma, a defesa de Gabriel Costa recorrerá da parte da decisão judicial que não deferiu o traslado do corpo de Gal Costa ao Rio de Janeiro.

Nota da defesa de Wilma Petrillo

Não tivemos acesso aos autos do processo que pede a exumação. A morte de Gal está devidamente atestada e todo o histórico de saúde dela, que levaram ao óbito, constam dos prontuários médicos do hospital Albert Einstein, onde ela esteve internada por diversas vezes e fazia o tratamento. Curioso Gabriel jamais ter pedido acesso a tais prontuários e nem mesmo procurado os médicos que trataram da mãe. As acusações de Gabriel para Wilma são muito sérias e ele terá que prová-las. Muito embora ele tenha dito em entrevista ao Fantástico que não desconfie de Wilma. Sendo assim e, tendo plena consciência do que, infelizmente, levou Gal a óbito, Wilma jamais vai se opor a qualquer investigação, muito pelo contrário.

No que tange ao fato de Gal ter sido enterrada em SP, trata-se de uma decisão que levou em conta a vontade da própria cantora, que escolheu SP como sua cidade do coração para viver até o fim da vida, tinha título de cidadã paulistana e fez sentido ser enterrada na cidade onde moram sua viúva e seu filho.

Continua após a publicidade

Justiça negou exumação do corpo

A Vara de Registros Públicos, que analisou o requerimento, apontou não ter autoridade para analisar o caso. A juíza encaminhou o processo à polícia, por meio da CIPP (Central de Inquéritos Policiais e Processos).

O pedido de exumação foi feito por Gabriel, filho único de Gal Costa. Ele contou à coluna Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, que quer levar os restos mortais da mãe de São Paulo para o Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

Gabriel diz que quer "ter certeza" da causa da morte da cantora. Ele relata as dúvidas já que Wilma optou pela não realização da autópsia. "Eu só quero ter certeza que é realmente a parada cardíaca, entendeu? Porque foi tudo muito repentino".

Wilma questionou o pedido: "Eu não sei do que ele está desconfiando, se ele acha que eu matei a mãe dele? Que eu matei Gal?"

Ela diz que Gal não queria que seu corpo passasse por autópsia. "Lembrei que a gente tinha visto na TV um programa sobre necropsia e autópsia e Gal disse: 'Deus me livre se um dia eu tiver que ir embora e alguém fazer isso comigo."

Continua após a publicidade

Gabriel nega acreditar que Wilma esteja envolvida na morte, mas que quer saber mais sobre a morte da mãe. "Não teve autópsia, então não teve como saber se foi algo mais profundo."

Deixe seu comentário

Só para assinantes