PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Em nova temporada, 'The Boys' extrapolou o limite, e isso é ótimo

"The Boys" chega à terceira com sangue e muito sexo  - Divulgação/IMDb
'The Boys' chega à terceira com sangue e muito sexo Imagem: Divulgação/IMDb

Fernanda Talarico

De Splash, em São Paulo

03/06/2022 04h00

"Com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades". A frase ligada ao Homem-Aranha e aos super-heróis como um todo foi completamente ignorada por "The Boys" em sua nova temporada. Splash já assistiu ao terceiro ano da série do Amazon Prime Video e, sem dar spoiler, pode adiantar: a produção se superou.

Pode parecer um exagero, mas não é. O título sobre super-heróis criados pela empresa Vought consegue adicionar à narrativa ainda mais sexo e violência.

Quem já assistiu às duas primeiras temporadas sabe que isso parece ser algo impossível, afinal a série já tinha chegado a um nível muito alto quando o assunto era loucura. Só que deixando para trás todas as barreiras da moral e dos bons costumes, "The Boys" foi lá e fez.

A nova leva de episódios mostra ainda mais pênis, sangue, cabeças explodindo, gente pelada e sexo. A produção do Prime Video não economizou em nada ao entregar tudo o que os fãs já esperavam e mais um pouco. Inclusive, é durante a terceira temporada - no sexto episódio para ser mais específico - que acontece o famigerado "Herogasm", também conhecido como "suruba dos super-heróis".

Com tantos exageros, há quem ache que "The Boys" extrapolou o limite. No entanto, isso é algo extremamente positivo.

O momento do audiovisual está repleto de produção de super-heróis. São diversos filmes e séries que abordam o assunto, sejam eles da Marvel ou da DC. Porém, é notório que nenhum dos títulos vai a fundo em temas espinhosos da vida humana. As discussões aparecem de maneira superficial e nunca se aprofundam.

Os públicos, é verdade, são diferentes. A série "The Boys" está longe de ser um seriado voltado ao público infantil e mesmo para uma pessoa já acostumada com filmes para adultos, a série é de chocar. Ela tem o mérito de introduzir uma conversa importante sobre como vemos nossos heróis, quem são as pessoas que temos como ídolos e, principalmente, o quanto podemos humanizar aqueles que idealizamos.

Assim como no segundo ano, os novos episódios nos fazem querer acompanhar a história para assistirmos à queda de Homelander (Antony Starr), um dos melhores vilões que temos em atividade. Ele apresenta diversas camadas, tristezas e fraquezas. Acompanhamos como está lidando com os eventos mortais da temporada passada. Ele é um prato cheio para analistas, psicólogos e psiquiatras.

Ao longo dos oito capítulos, "The Boys" prova ser uma das séries mais relevantes da atualidade ao abordar diferentes assuntos com irreverência e nenhuma responsabilidade com o bom senso. Ainda bem.

Assine o Amazon Prime Video e assista a "The Boys":

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelo link recomendado neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.