PUBLICIDADE
Topo

Do auge ao luto pelo filho: a tumultuada vida e carreira de Sinead O'Connor

Sinead O"Connor - Jean-Christophe Bott/EFE
Sinead O'Connor Imagem: Jean-Christophe Bott/EFE

De Splash, em São Paulo

08/01/2022 16h13

Sinead O'Connor está de luto pela morte precoce de seu filho caçula Shane, que tinha apenas 17 anos. A tragédia é mais um momento complicado na tumultuada vida e carreira da cantora irlandesa de 55 anos.

Ela já teve problemas desde seu primeiro hit "Nothing Compares 2 U", de 1990. Décadas depois do lançamento da música, de autoria de Prince, Sinead revelou que o músico americano a agrediu e perseguiu após ela estourar com a versão.

"Nós nos encontramos uma vez, não nos demos muito bem e nós tentamos nos agredir. Na verdade, ele tentava me bater e eu tentava me defender, foi uma experiência assustadora", disse a cantora em 2019 em uma participação no programa "Good Morning Britain". Prince morreu em 2016.

Polêmica com Papa

O auge o o "cancelamento" aconteceram muito rápido na vida de Sinead O'Connor. Em 1992, durante uma apresentação no programa Saturday Night Live, um dos mais populares e antigos da TV norte-americana, a cantora rasgou uma foto do papa João Paulo 2º.

Após destruir a imagem do líder supremo da Igreja Católica na época, a artista disse: "Lutem contra o verdadeiro inimigo". A intenção era denunciar os abusos sexuais de crianças dentro da igreja católica, o que viria a ser confirmado décadas depois.

Ela, que estava no auge da carreira, enfrentou a ira da igreja e conheceu as proporções gigantescas da atitude, como virar persona non grata na TV.

Sumiço em 2016

O ano da morte de Prince, autor de seu maior hit, foi bastante conturbado para Sinead O'Connor. Em maio de 2016 ela chegou a ficar desaparecida por 24 horas depois de sair pedalando de sua casa na região metropolitana de Chicago, nos Estados Unidos.

Um amigo da cantora acionou a polícia, que chegou a classificar o caso da cantora como a de uma "suicida desaparecida", mas sem dar mais detalhes.

No ano anterior, em 2015, Sinead O'Connor chegou a cancelar sua turnê mundial alegando estafa. Ela cancelou, inclusive, shows que faria no Brasil após uma internação de Shane, na época com 11 anos.

Fuga e overdose

Nesse mesmo ano, ela publicou uma mensagem no Facebook em que sugeria que havia tentado se matar. "Tomei uma overdose", escreveu a cantora.

No texto, ela falava sobre a dor por não ter nenhuma relação com sua família em consequência de uma "horrível série de traições", além de reclamar que filho mais velho e outros membros da família estariam a tratando muito mal.

"Não há outra maneira para conseguir respeito. Não estou em casa, estou em um hotel, em algum lugar da Irlanda, com outro nome", dizia o post. "Se não publicasse esta mensagem, meus filhos e minha família nem sequer descobririam. Eu poderia estar morta há semanas e eles não saberiam", completou.

Isolamento e transtornos mentais

Em 2017, a cantora falou abertamente sobre os transtornos mentais e a distância da família. Em um vídeo de 12 minutos publicado no Facebook, ela dizia estar vivendo em um motel de beira de estrada em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

"Estou completamente sozinha. Não há ninguém na minha vida além do meu médico, meu psiquiatra, o homem mais doce do mundo, que diz que eu sou sua heroína, e essa é a única coisa que me mantém viva no momento. E isso é meio patético", disse na época.

Depois disso, ela foi chamada para uma entrevista no programa Dr. Phill onde declarou que já estava cansada de ser chamada de louca e conhecida como sobrevivente de abuso infantil, mais um episódio triste de sua vida antes mesmo da fama.

Foi neste mesmo programa que ela anunciou que mudaria de nome, o que de fato ocorreu em 2018. "Vou trocar meu nome. Sinead O'Connor já era. Essa pessoa se foi."

Mudança de nome e conversão ao islamismo

Em outubro de 2018 Sinead O'Connor se converteu ao islamismo e mudou seu nome para Shuhada' Davitt. Até então, a cantora era católica.

"Isso é para anunciar que estou orgulhosa de ter me tornado muçulmana. Essa é a conclusão natural da jornada de qualquer inteligente teólogo", escreveu ela no Twitter.

"Todo o estudo de escrituras leva ao islamismo. O que faz das outras escrituras redundantes. Eu terei um novo nome que será Shuhada", anunciou. Meses antes, ela chegou a se lançar com um novo nome artístico, Magda Arjuna Davitt, mas continuou usando Sinead O'Connor para sua carreira musical.

Aposentadoria cancelada

Em junho de 2021, logo após lançar seu livro de memórias, a cantora anunciou aos fãs que estava se aposentando dos palcos e das gravações.

"Estou ficando mais velha e cansada. Está na hora de pendurar meus pompons de mamilo depois de realmente ter dado tudo de mim", escreveu em seu perfil oficial.

Um dia depois, porém, ela voltou atrás. "Boas notícias. F*da-se a aposentadoria. Retiro o que eu disse. Não estou me aposentando. Eu estava temporariamente permitindo que f*dessem a minha cabeça", disse Sinead.

A irlandesa explicou em uma longa carta que foi vítima de diversas entrevistas abusivas durante toda a sua carreira, as quais desrespeitavam seus pedidos para não falar sobre seus traumas e as violências que sofreu quando criança.

"Quando as pessoas me ridicularizam, me invalidam, me desrespeitam ou me abusam eu sofro de efeitos de longo prazo das violências físicas e psicológicas com as quais eu cresci", justificou. E lamentou o estigma.

"Toda vez que eu vou vender uma música, um show ou um livro, é um gatilho para mim. Eu volto para essa criança ferida. Ou essa jovem mulher tratada terrivelmente. E o meu trabalho se torna algo que me aterroriza."