PUBLICIDADE
Topo

Polícia investiga relação entre tráfico e produtora de videoclipes no RJ

Autoridades apuram possível uso de armas reais em gravação - Reprodução
Autoridades apuram possível uso de armas reais em gravação Imagem: Reprodução

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

24/11/2020 14h55

A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga a possibilidade de o tráfico de drogas estar envolvido na gravação de videoclipes em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. Os agentes da 72ª DP (Mutá) cumpriram hoje um mandado de busca e apreensão na produtora responsável pela filmagem, no bairro de Santa Luzia. Um dos videoclipes já tem mais de 2 milhões de visualizações no YouTube.

As imagens retratam homens armados com fuzis e pistolas e mostram o dia a dia de traficantes. No vídeo, os integrantes fazem apologia ao tráfico e citam criminosos do Complexo do Salgueiro — entre eles Schumaker Antonácio do Rosário, conhecido como "F1", morto em abril de 2019 durante uma briga entre facções rivais.

No início do vídeo aparece a frase "Aviso! Todas as armas utilizadas nas imagens a seguir são para fins cinematográficos. Portanto não devem ser levados a sério". Apesar disso, a polícia suspeita de que as armas sejam reais, como explicou ao UOL o delegado Allan Duarte.

"Aparece uma pistola com Kit Rajada em um dos vídeos. Existem suspeitas de que armas reais tenham sido utilizadas. Além disso, também queremos saber sobre os carros de luxo que aparecem. O dono da produtora foi quem filmou o clipe e ele disse que não sabe dizer se elas são de verdade ou réplicas. No vídeo, eles aparecem enaltecendo traficantes, alguns já até mortos. Não encontramos o contrato de aluguel dessas eventuais réplicas e nem dos veículos. Ele falou também que recebeu um valor em espécie para filmar", disse o delegado.

De acordo com a Polícia Civil, o dono da produtora vai prestar esclarecimentos sobre os videoclipes. Os agentes pediram para que ele apresentasse os documentos que comprovem o aluguel das réplicas.

Um inquérito foi instaurado para apurar possíveis crimes de associação para o tráfico, porte ilegal de arma de fogo e incitação e apologia ao crime.