PUBLICIDADE
Topo

'The Last of Us' vai mesmo virar série e tem tudo para ser uma das melhores

Capa do primeiro game "The Last of Us"
Capa do primeiro game "The Last of Us"
Divulgação/Sony

Ana Carolina Silva

De Splash, em São Paulo

20/11/2020 21h52

A HBO encomendou a série baseada no game "The Last of Us", sucesso do universo PlayStation, e é difícil segurar a empolgação depois da notícia publicada pelo EW. Até quem não conhece os jogos precisa saber que este tem tudo para ser um dos melhores seriados de drama pós-apocalíptico.

A história é excelente, os personagens são complexos e os envolvidos são ótimos.

Os produtores-executivos são Craig Mazin e Carolyn Strauss, de "Chernobyl", e Neil Druckmann (diretor criativo dos dois jogos de "The Last of Us"). São nomes premiados e conscientes do que esta história representa.

Continua depois da publicidade

Nada disso é garantia de que a série vai ser o espetáculo que estamos esperando, mas são indícios muito promissores. E se você nunca jogou "The Last of Us" na vida —ou nem sabe segurar um controle de PlayStation—, nós estamos aqui para ajudá-lo. Não precisa ser gamer para criar expectativa.

the last of us - Reprodução - Reprodução
The Last of Us Remastered
Imagem: Reprodução

Sem spoilers, a sinopse do 1º jogo é: em 2013, um fungo (Cordyceps, que existe na vida real e "zumbifica" insetos) começa a infectar pessoas. O protagonista, Joel, perde a filha no começo da pandemia e precisa aprender a sobreviver contra milícias humanas e infectados que parecem zumbis.

O fungo existe mesmo, mas a parte de infectar humanos é ficcional. Fique em paz!

Continua depois da publicidade

Os humanos infectados são diferentes do que a cultura pop conhece de zumbis. Existem tipos diferentes, dependendo do estágio de desenvolvimento do fungo em cada corpo: alguns enxergam, outros só ouvem, alguns são quase impossíveis de matar... É ficção pura, claro, mas também biologia.

O Cordyceps não é um zumbi que quer comer cérebros por ser malvado, é só um parasita tentando sobreviver.

Mas Joel também precisa sobreviver, e é o que ele continua tentando fazer 20 anos depois da morte de sua filha. No caminho, ele conhece Ellie, uma garota de 14 anos que pode ser a cura para a pandemia e precisa ser retirada em segurança de uma rígida zona de quarentena.

É um encontro de almas: um homem despedaçado, sem razão para viver, e uma criança inocente que nunca conheceu o mundo fora da pandemia. Não por acaso, é uma das experiências mais intensas da história dos videogames, sem qualquer exagero.

Continua depois da publicidade
ellie e joel - Reprodução - Reprodução
The Last of Us Remastered
Imagem: Reprodução

É uma jornada dolorosa e pesada, como uma história pós-apocalíptica precisa ser, mas também é contemplativa e sensível. Você sente as mortes.

"The Last of Us" nos traz sentimentos tão doidos que séries de zumbis como "The Walking Dead" parecem superficiais.

Resta saber se a série se dará bem sem o maior aliado dos games: a interatividade. Jogando, você é responsável por decisões intensas como fugir de fininho (o que faz a gente prender a respiração sem perceber) ou matar pessoas que, assim como Joel e Ellie, só querem sobreviver.

last of us - Reprodução - Reprodução
The Last of Us Remastered
Imagem: Reprodução

O gameplay tem socos no estômago constantes, e a produção da HBO não nos colocará no controle da mesma forma. Mas a emissora merece crédito por seus bons trabalhos dramáticos, assim como os nomes responsáveis por "Chernobyl" e pelo próprio "The Last of Us".

Continua depois da publicidade

Se tudo der certo, a gente vai sofrer com esta série. E tem tudo para dar certo.