PUBLICIDADE
Topo

Como a arte ajudou Mike Shinoda, do Linkin Park, a superar a depressão

Mike Shinoda
Mike Shinoda
Frank Maddocks/Diulgação/Arte UOL

Leonardo Rodrigues

De Splash, em São Paulo

05/10/2020 04h00

Ele é fundador do Linkin Park, guitarrista, vocalista e "faz tudo" na banda e na vida. Mas Mike Shinoda provavelmente teria uma carreira diferente se não tivesse estourado com o grupo em 2000. Além de músico, o cara também é artista gráfico formado em design e já produziu muita coisa boa na área.

Continua depois da publicidade

Nós conversamos com o Mike sobre esse "lado b", e ele nos contou muita coisa legal

Primeiro que sempre cresceu sonhando ser ilustrador. Tanto que estudou nos anos 1990 na Art Center College of Design de Pasadena, uma das faculdades mais importantes do design gráfico e desenho industrial dos EUA.

Educação é tudo, né?

Foi na faculdade, por sinal, que ele conheceu Joseph Hahn, que mais tarde entraria no Xero, grupo que originou o Linkin Park

Nessa época, a música era só um hobby para Mike Shinoda. Mas aí a banda assinou com a Warner e o disco de estreia "Hybrid Theory" vendeu "apenas" 27 milhões de cópias no mundo. Então ele precisou escolher. Os pais, claro, ficaram preocupados. Não tem jeito: pais são pais.

Continua depois da publicidade

As coisas começaram a acontecer para o Linkin Park quando faltava menos de um ano para me formar. Meus pais falavam: 'Mas por favor diga que concluirá a faculdade!'. Por sorte, consegui. Mas eu aproveitei essa oportunidade de ter estudado artes de diversas formas na minha carreira
Mike Shinoda

Como é o trabalho gráfico do Mike, você deve estar se perguntando

Bem, é uma miscelânea de cores, texturas e referências culturais que vão do Japão à guerilla street art. Shinoda, aliás, é descendente de japonês por parte de pai e também de indígenas americanos. E dá para sentir tudo isso nas obras.

Ele já assinou, por exemplo, a arte de vários CDs, sozinho ou em parceria, incluindo os dele

As capas de disco criadas por Mike Shinoda

Continua depois da publicidade

Já criou boneco 'Munny' customizado para leilão beneficente

Boneco criado por Mike Shinoda - Reprodução - Reprodução
Boneco criado por Mike Shinoda
Imagem: Reprodução

Já desenhou edição limitada de tênis da marca DC Shoes

Tênis criado por Mike Shinoda - Freshness Mag/Instagram - Freshness Mag/Instagram
Imagem: Freshness Mag/Instagram

Já lançou uma série de dez pinturas, que se tornaram base para o álbum de estreia do Fort Minor, 'The Rising Tied', e rendeu mostra

Obras de Mike Shinoda - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Em 2008, ele lançou a exposição 'Glorious Excess (Born)' no importante Museu Nacional Japonês Americano, em Los Angeles

Mike Shinoda em exposição de 2008 - The Hundreds/Reprodução - The Hundreds/Reprodução
Imagem: The Hundreds/Reprodução

E em 2009 ele fez uma continuação da mostra, batizada de 'Glorious Excess (Dies)'

Mike Shinoda na mostra "Glorious Excess (Dies)" - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Mike Shinoda na mostra "Glorious Excess (Dies)"
Imagem: Reprodução/Instagram
Continua depois da publicidade

Mas diz pra nós, Mike: qual é a diferença entre ser músico e artista gráfico?

Não consigo fazer tudo que quero como artista gráfico. Na música, apesar de não tocar instrumentos muito bem, consigo colocar todas as minhas ideias em prática em estúdio. Nem que seja seja arranjando um músico para tocar um trecho. Isso vem de milhares de horas e experiência

Mike é modesto e diz que a arte o ajudou demais em um dos momentos mais complicados da sua vida: a morte do vocalista Chester Bennington, em 2017, que paralisou as atividades do Linkin Park e o levou a um estado de ansiedade. A atividade virou uma terapia.

Continua depois da publicidade

Quando enfrentei tudo aquilo, pintar e produzir música certamente me ajudou. Eu mergulhava na dor e criava o que estava na minha cabeça. Em outras vezes, usava a arte como válvula de escape
Mike Shinoda

Falando nisso, Mike diz que todo seu processo criativo é influenciado por ideias sonoras. E ele resolveu nos provar. Montou uma playlist com músicas que o inspiram a fazer arte. E ficou demais!

E, veja só, tem um brasileiro "louco" ali no meio, que tem feito Mike pirar. É Amon Tobin, DJ e produtor carioca radicado no Canadá.

Não tem um artista específico que eu escute sempre para me inspirar. Mas eu citaria, por exemplo, o Amon Tobin [DJ e produtor brasileiro radicado no Canadá]. Ele faz uma música insana. Quando desenho algo escutando a música dele, eles ficam loucos, agitados e selvagens.

Ficou curioso? Ouça aí um pouquinho mais do Amon

Continua depois da publicidade

E o futuro? Mike, designer gráfico apenas nas horas vagas, não pretende largar a música e não sabe se reativará o Linkin Park. Ele está num momento de refletir sobre caminhos profissionais.

Quem nunca ficou com essa dúvida na vida? Toca aqui, Mike! A única diferença é que a conta bancária dele é quase equivalente ao PIB de um país da América Central. Mas sabe que ele é um cara muito pé no chão?

Não é que eu não goste das artes que faço, mas ainda estou aprendendo. Não passo o mesmo tempo desenhando que passado fazendo música. Se fosse assim, provavelmente me sentiria melhor ou muito melhor sobre meus trabalhos.
Mike Shinoda, inimigo do deslumbre

Um artista modesto, afinal