PUBLICIDADE
Topo

Ex-Os Mutantes, Arnaldo Baptista passa por crise e rifa casaco lendário

Arnaldo Baptista mostra casaco que será sorteado em rifa  - Arquivo pessoal
Arnaldo Baptista mostra casaco que será sorteado em rifa Imagem: Arquivo pessoal
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

18/10/2020 07h34

Resumo da notícia

  • Ex-Os Mutantes, Arnaldo Baptista passa por crise financeira
  • O artista criou uma rifa on-line para sortear um casaco inglês usado em momentos importantes da carreira
  • Também artista plástico, Baptista dá 30% de desconto no valor nas obras criadas durante a quarentena
  • "Se estivéssemos na Europa ou nos Estados Unidos, a banda Os Mutantes seriam com certeza parte do patrimônio cultural"

O Loki da música brasileira, ex-Os Mutantes e fundamental para a formação da música psicodélica brasileira, Arnaldo Baptista passa por uma crise financeira diante da pandeima do novo coronavírus e criou uma rifa on-line para sortear o lendário casaco inglês vermelho comprado nos anos 70 e custear as contas nos próximos seis meses.

"Num sentido, de comprar e trilhar; eu compartilho, uma 'Battle-Dress' inglesa. Para, desapegar; 'das coisas materiais', que me dão prazer", contou Baptista sobre o item de colecionador nas redes sociais.

Arnaldo Baptista vestiu o casaco na capa do álbum solo dele, "Singin' Alone", lançado em 1982, e também no clipe de "Será Que Vou Virar Bolor?", música presente no disco "Loki?" (1974), que você pode assistir abaixo.

"Meu maior desejo era ter um casaco igual ao do Jimi Hendrix, aquele que ele usou em Woodstock cheio de franjas, mas aí, eu vi esse numa loja e resolvi comprar", contou o músico.

O casaco foi adquirido na Portobello Road, uma famosa rua de comércio e venda de antiguidades em Londres, na Inglaterra, nos anos 70, quando Os Mutantes viajaram ao país para comprar instrumentos musicais.

A rifa on-line, realizada neste site, tem 2 mil números e o valor da unidade é de R$ 50. O sorteio será realizado quando pelo menos 80% dos números for comprado. Se for totalmente vendida, a rifa de Arnaldo Baptista arrecadará R$ 100 mil, valor que será usado para pagar dívidas e custear os gastos nos próximos seis meses.

A nota divulgada nas redes sociais do artista diz:

"A ação de rifar uma das poucas peças daqueles tempos que Arnaldo conseguiu levar consigo pós-1982 é uma necessidade, uma necessidade de sobrevivência".

Vivendo em Juiz de Fora, em Minas Gerais, Arnaldo Baptista também é artista plástico, produz duas obras por dia e estabeleceu um desconto de 30% no catálogo criado durante a quarentena para aumentar as vendas e custear a produção - ele, inclusive, trocou as telas por papelão paraná por ser mais barato.

Uma das figuras mais importantes da música brasileira, Arnaldo Baptista fundou Os Mutantes ao lado do irmão mais novo Sérgio Dias e Rita Lee.

O trio sacudiu a música brasileira a partir da estreia Festival da Record ao lado de Gilberto Gil em 1967 com amplificadores valvulados e inspiração na revolução musical da psicodelia britânica absorvida para uma linguagem nacional da época.

Incluídos no movimento tropicalista, Os Mutantes viveram auge e queda na virada de década. Rita Lee deixou o grupo em 1972, Arnaldo partiu no ano seguinte (embora tenha voltado para uma turnê festiva entre 2006 e 2007 com Zélia Duncan nos vocais). O grupo segue hoje sob a batuta de Sérgio Dias.

"Se estivéssemos na Europa ou nos Estados Unidos, a banda Os Mutantes seriam com certeza parte do patrimônio cultural e da história musical notória desses países"
Escreveu a equipe de Arnaldo Baptista no Twitter.

Em carreira solo, Arnaldo Baptista se soltou mais das amarras e mergulhou em um rock progressivo e também psicodélico. O álbum dele "Loki?" é considerado um das pedras fundamentais da música lisérgica brasileira. Ele também criou a banda Patrulha do Espaço na década de 1980.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.