PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Guilherme Ravache

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que Globo dá prejuízo mas fortuna da família Marinho voltou a crescer

Os donos da Globo, José Roberto, Roberto Irineu e João Roberto, lideram lista da Forbes de bilionários da mídia no Brasil - (Divulgação/Globo)
Os donos da Globo, José Roberto, Roberto Irineu e João Roberto, lideram lista da Forbes de bilionários da mídia no Brasil Imagem: (Divulgação/Globo)
Conteúdo exclusivo para assinantes
Guilherme Ravache

Guilherme Ravache é consultor digital. Jornalista com passagens pelas redações da Folha de S. Paulo, Revista Época e Editora Caras. Foi diretor de atendimento da Ideal H+K Strategies e gerente sênior de comunicação e marketing de relacionamento da Diageo.

Colunista do UOL

10/04/2022 04h00

Resumo da notícia

  • Os irmãos Marinho, José Roberto, Roberto Irineu e João Roberto, donos da Globo, aparecem na lista de bionários da Forbes
  • A família acumula uma fortuna pessoal de US$ 6,6 bilhões, valor superior ao resultado do ano passado
  • Na última década os Marinho viram o valor de suas propriedades caírem, mas no último ano, apesar de prejuízo da Globo, tendência foi revertida
  • A Globo teve prejuízo de R$ 173,8 milhões no ano passado, mas propriedades como o Globoplay e outros investimentos estão crescendo
  • A startup Merama, que tem a Globo Ventures como uma das investidoras, já vale mais de US$ 1,2 bilhão
  • A Globo e a família Marinho são sócias de dezenas de empresas que começam a atingir bilionários valores de mercado

A Família Marinho apareceu novamente na lista global da Forbes entre os mais ricos do mundo. Os três filhos de Roberto Marinho, os executivos José Roberto Marinho, José Irineu Marinho e João Roberto Marinho, aparecem cada um com uma fortuna de US$ 2,2 bilhões (R$ 10,4 bilhões cada, ou R$ 31,2 bilhões se somados os valores).

A soma da fortuna dos três integrantes da Família Marinho é US$ 1,2 bilhão superior ao valor divulgado no ano passado, quando apareceram na lista da Forbes com US$ 5,4 bilhões (ou US$ 1,8 bilhão cada).

Descobrir que a fortuna da Família Marinho está aumentando, mesmo com a Globo dando prejuízo, talvez dê um nó na cabeça de muitos, particularmente dos bolsonaristas que celebraram os resultados negativos da maior empresa brasileira de mídia do país.

No início do mês, a Globo revelou que fechou o ano de 2021 com um prejuízo de 173 milhões. O pior resultado da história recente da empresa.

Globolixo e outros ataques

Jair Bolsonaro há anos ataca a mídia e a Globo é um de seus principais alvos. Ano passado, o presidente chegou a erguer um cartaz diante de apoiadores em que se lia "Globo Lixo". Bolsonaro também já afirmou que não renovaria a concessão da emissora, que vence nesse ano, apesar da empresa aparentemente seguir todos os requisitos para seguir com a outorga.

Nos dias que se seguiram à divulgação do balanço da Globo com o prejuízo, perfis Bolsonaristas celebravam. No Twitter, o jornalista Rodrigo Constantino compartilhou uma imagem mostrando a queda do resultado da Globo desde 2010 acompanhado do texto "Antibolsonarismo global explicado em uma imagem".

O tuíte de Constantino teve mais de 4 mil compartilhamentos e 20 mil curtidas. Alguns petistas também não esconderam a alegria com os resultados negativos da Vênus Platinada. Mas vale notar que o faturamento da Globo cresceu mais de 15% em 2021 em relação a 2020, chegando a 14,4 bilhões.

Prejuízo hoje pode ser lucro amanhã

O mercado de TV passou por uma revolução nos últimos anos com a disparada do streaming. Diferentemente do que o bolsonarismo gostaria que acreditássemos, a queda de receita da Globo tem muito mais relação com a fuga da audiência e de anunciantes para plataformas digitais do que a influência do presidente na Globo.

Sim, a Globo tem menos lucro. Mas esse é um fenômeno global, no qual as grandes empresas de mídia tradicional donas de canais de TV tiveram de reduzir lucros para investir no streaming e outras plataformas digitais.

A NBC, uma das maiores redes de TV dos Estados Unidos, ano passado chegou a perder mais de R$ 2 bilhões no terceiro trimestre por conta de seus investimentos no Peacock, sua nova plataforma de streaming.

A Disney perde até R$ 5 bilhões todo ano no Disney+, enquanto vê seus resultados em TV caírem (a empresa é dona de diversos canais como a ABC, ESPN e Fox). Ano passado, a Disney anunciou que fecharia mais de 100 canais de TV pelo mundo para focar em seu streaming.

A exemplo de seus pares internacionais, a Globo há anos tem investido bilhões no Globoplay. Para especialistas, o futuro da TV é o streaming. E essa é a aposta da Globo.

Globoplay pode valer mais que a Globo

A TV Globo com o passar dos anos provavelmente valerá menos. É uma tendência para todos os canais de TV aberta e a cabo. A TV linear que têm boas chances de repetir o caminho dos jornais, que ganharam ainda mais leitores na internet, mas têm margens de lucro bem menores sem os classificados e cada vez menos publicidade institucional.

Mas diferentemente de seus pares brasileiros como SBT, Record, Band e RedeTV!, a Globo tem no Globoplay uma robusta plataforma de streaming. O Globoplay é tratado como uma startup dentro da Globo, mas também o futuro da empresa. Ele ainda perderá bilhões de reais nos próximos anos, mas no futuro tem potencial de gerar lucros. É o mesmo modelo da Netflix, que após uma década de pesados prejuízos investindo para aumentar o número de assinantes, viu seus lucros dispararem desde 2020.

É inegável que o Globoplay, mesmo dando prejuízo, cresce consistentemente. O streaming da Globo registrou em 2021 aumento de 74% na receita líquida em relação a 2020, tendo um crescimento de 33% da base de assinantes.

Possivelmente, a conta realizada pela Forbes em relação à fortuna dos Marinho já leva em conta o valor adicional que o Globoplay traz para as empresas da família. No mercado, é consenso que caso a lei de propriedade estrangeira de grupos de mídia mude (hoje ela limita a participação de estrangeiros a 30%), há uma fila de potenciais compradores para a Globo.

As parcerias do Globoplay com a Disney+, AppleTV e Amazon Prime mostram o potencial da plataforma brasileira. A presença da Netflix no primeiro intervalo comercial da novela Pantanal é outro exemplo da força da Globo no setor.

As outras empresas da Família Marinho

A fortuna da Família Marinho não se limita ao grupo Globo. Eles investem em algumas das empresas mais inovadoras do país. A Globo Ventures é uma empresa distinta, do Grupo Globo, com uma operação independente, gestão separada e recursos financeiros próprios. Roberto Marinho Neto, um dos herdeiros da Globo, comanda esse "braço" de investimentos.

Empresas como Buser (plataforma de viagens de ônibus), Bom Pra Crédito (marketplace de crédito), Kovi (aluguel de carros), Liv Up (alimentos congelados), Enjoei (brechó on-line), Órama (plataforma de investimentos), e EmCasa (compra e venda de imóveis) estão entre os investimentos da Globo Ventures.

Segundo o site Crunchbase, em 2021 a Globo Ventures fez mais de uma dezena de aportes em startups. Investiu, por exemplo, US$ 138 milhões na Buser e US$ 21 milhões no EmCasa. A Merama, empresa que compra participações em lojas para impulsionar vendas no varejo digital, é um dos destaques do portfólio. No final do ano passado, um aporte liderado pelo Softbank e pelo fundo de investimentos Advent, que contou com a parceria da Globo Ventures, investiu US$ 225 milhões na Merama.

Declínio da TV tradicional

A TV Globo deverá ter cada vez menos peso na fortuna da Família Marinho. Boa parte dos investimentos nessas startups ainda vão amadurecer e gerar lucros somente no futuro.

Isso ajuda a explicar por que o levantamento mostra uma queda na fortuna da família Marinho durante a última década e uma reversão dessa tendência no último ano, mesmo com o prejuízo da Globo reportado em 2021. Os dados apontam que, em 2014, a fortuna pessoal dos três herdeiros da TV Globo era de US$ 9,1 bilhões (R$ 43,2 bilhões), 38% maior que o valor atual de US$ 6,6 bilhões.

Para efeito de comparação, a gigante de mídia Televisa, fundada em 1955 no México, no ano passado foi comprada pela Univision. A Televisa recebeu pelo negócio US$ 3 bilhões em dinheiro por seus ativos, mais US$ 1,45 bilhão em ações da Univision. A Univision também assumiu US$ 2,1 bilhões em dívidas do grupo mexicano.

Diferentemente da Globo, a Televisa não tinha um streaming relevante. A ideia da fusão com a Univision foi justamente lançar uma plataforma de streaming forte, o que foi feito mês passado. Mas o valor de venda da Televisa, pouco mais de US$ 6,5 bilhões (somada a dívida), mostra como a TV perdeu valor consideravelmente em comparação aos negócios digitais. A Merama, com pouco mais de um ano de vida, já é considerada um unicórnio, avaliada em mais de US$ 1,2 bilhão.

Se por um lado a queda de receita da Globo e o crescimento do Globoplay são sinais dos novos tempos na mídia. Por outro lado, a presença da Família Marinho na lista dos bilionários da Forbes e seus diversos investimentos bem-sucedidos mostram que nem tanto mudou.

Siga a coluna no Twitter, Facebook e Instagram.