PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Chico Barney

Melhor desistir? As séries da Marvel simplesmente não deram certo

A feiticeira, a advogada e o trapalhão: Marvel no streaming - Reprodução/Montagem
A feiticeira, a advogada e o trapalhão: Marvel no streaming Imagem: Reprodução/Montagem
Conteúdo exclusivo para assinantes
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Colunista do UOL

18/05/2022 16h34

É com tristeza que venho informar que a nobre iniciativa da Marvel de expandir seu universo cinematográfico com séries no streaming simplesmente não funcionou.

A ideia de trazer uma abordagem diferente para personagens que teoricamente não teriam espaços em filmes foi uma furada, pelo menos para quem gosta de coisa boa.

O que poderia servir para explorar de maneira mais criativa ou desafiadora os limites da própria narrativa já estabelecida acabou servindo para frustrar expectativas e desperdiçar ótimos personagens graças a uma visão geral ainda menos sofisticada que nos cinemas.

Veja o caso do Cavaleiro da Lua, um herói tão misterioso que se tornou o Dedé Santana do Egito em sua versão televisiva. Ou a própria WandaVision, tão incensada por parte da crítica, que acabou funcionando como um extra de DVD longo demais.

Nada é importante, nem particularmente interessante nas séries exibidas no Disney+. Os elencos formidáveis e as produções caras não conseguiram nos salvar de uma crônica falta de imaginação.

A próxima vítima promete ser a Sensacional Mulher-Hulk, de tantas encarnações brilhantes. O conceito de "Defensora de Heróis" rendeu um ótimo run escrito por Dan Slott e desenhado por Juan Bobillo há quase 20 anos.

Trata-se de uma heroína que desde a década de 1980 passou a ter um viés cômico bastante forte nos quadrinhos. Até por isso, mais do que o CGI meio torto e amplamente criticado nas redes, o que mais me preocupa é a ausência de qualquer resquício de graça no trailer.

A mistura de humor com ação em alta octanagem, junto com a rica cronologia construída em quase uma década e meia continua quase perfeita nos lançamentos do estúdio nos cinemas.

As mais recentes inclusões deste vasto cardápio, o terceiro Homem-Aranha e o segundo Doutor Estranho, são obras-primas e estão entre os melhores filmes já produzidos na face da Terra.

Mas ao precisar amenizar aqui ou ali por conta de orçamento ou outros fatores, a Marvel não conseguiu transpor as boas sensações em suas iniciativas televisivas. É melhor guardar essa energia para continuar fazendo mais e melhores filmes, uma vez que ainda há muito material original brilhante nos gibis para servir de inspiração.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.