PUBLICIDADE
Topo

EUA liberam entrada de voos brasileiros, mas mantêm restrições de viagem

Aeroportos estão liberados, mas restrições por conta da pandemia continuam  - Miguel Angel Sanz/Unsplash
Aeroportos estão liberados, mas restrições por conta da pandemia continuam Imagem: Miguel Angel Sanz/Unsplash

Bárbara Ligero

Colaboração para Nossa

15/09/2020 09h40Atualizada em 15/09/2020 12h28

Devido à pandemia do novo coronavírus, muitos governos fecharam as suas fronteiras para pessoas vindas de países considerados de risco. Uma das nações que tomaram essa medida preventiva foram os Estados Unidos, que desde 28 de maio de 2020 vetam a entrada de todos os viajantes estrangeiros que tenham estado no Brasil, incluindo em trânsito, durante os 14 dias anteriores à chegada no país.

Na semana passada, a publicação de um documento não oficial suscitou o boato de que o país norte-americano retiraria o Brasil da lista de países restritos. Porém, uma decisão anunciada pelo governo de Donald Trump nesta segunda-feira (14) mostrou que a informação era falsa.

O que mudou é que os Estados Unidos liberaram a chegada de voos oriundos do Brasil em qualquer um dos aeroportos do país. Até então, o desembarque estava restrito a apenas 15 terminais norte-americanos que possuem centros médicos maiores e procedimentos de segurança sanitária mais rígidos.

Apesar de a medida ser mais um passo em direção à reabertura das fronteiras, ela não significa que o turismo esteja liberado. Na verdade, as restrições por conta da pandemia continuam e a decisão não representa nenhuma mudança significativa para os brasileiros.

Como já vem acontecendo desde maio, só podem voar do Brasil direto para os Estados Unidos os cidadãos do país e os estrangeiros que possuem uma autorização especial, como o green card, o visto de residência, o visto de trabalho ou algum vínculo familiar próximo com um norte-americano. Esses indivíduos deverão cumprir a quarentena obrigatória de 14 dias nos Estados Unidos.

Já as pessoas com visto de estudante ou visto de turismo, por exemplo, seguem proibidas de viajar ao país diretamente. Ao contrário do que diziam os boatos, ainda não há uma previsão para a liberação da entrada de estrangeiros que tenham estado no Brasil duas semanas antes da viagem aos Estados Unidos.

Todas as informações estão disponíveis no site da embaixada.