PUBLICIDADE
Topo

LATAM estima aumentar operações para 26% de sua capacidade em outubro

Latam: empresa atravessa uma crise econômica - Shutterstock
Latam: empresa atravessa uma crise econômica Imagem: Shutterstock

29/09/2020 16h25

A companhia aérea chileno-brasileira LATAM, duramente atingida pela pandemia do coronavírus, estima que atingirá 26% de sua capacidade operacional em outubro com o aumento para 440 voos semanais, informou a companhia em comunicado divulgado nesta terça-feira (29).

A LATAM, que atravessa uma crise econômica que culminou em um processo de reestruturação em um tribunal de falências dos Estados Unidos, tem retomado gradativamente suas operações após reduzi-las em 95% em abril, devido ao fechamento das fronteiras dos países em que voa e a menor procura de passagens devido ao coronavírus.

Em outubro, a LATAM pretende atingir 440 voos semanais - 44% a mais que os 310 registrados em setembro -, graças ao reinício das operações domésticas e internacionais no Peru, um dos hubs mais importantes da companhia aérea na América Latina, enquanto que a subsidiária colombiana dobraria sua capacidade.

A companhia também retomará as rotas internacionais de Santiago do Chile a Santa Cruz de la Sierra (Bolívia), Guayaquil (Equador) e Bogotá (Colômbia). De São Paulo serão retomadas as saídas para a Cidade do México.

"No total, a LATAM e suas subsidiárias planejam operar entre 24% e 26% de sua capacidade em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado", disse nota da companhia aérea, considerada a maior da América Latina fundada em 2012 após a fusão da chilena LAN e da brasileira TAM.

Atualmente, a companhia aérea conecta 99 destinos em 13 países. Antes da pandemia, a LATAM voava para 145 destinos em 26 países.

O anúncio vem quase duas semanas depois de a LATAM conseguir que o tribunal de falências de Nova York aceitasse um plano de financiamento de 2,45 bilhões que permitirá uma reestruturação para tentar sair da crise que enfrenta, um processo que também deve ser aprovado pela justiça dos EUA.

Devido à crise, a LATAM sofreu uma queda de 75,9% em sua receita no segundo trimestre, e demitiu cerca de 12.600 funcionários, deixando atualmente quase 30.000.

Em junho, a LATAM anunciou o fechamento de sua subsidiária na Argentina.