PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Juca sobre volta de Robinho ao Santos: "Futebol não tem vergonha na cara"

Do UOL, em São Paulo

12/10/2020 18h01

O Santos anunciou no último sábado a contratação do atacante Robinho, formado pelo clube e que se tornou ídolo com a conquista de títulos do Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Campeonato Paulista. Mas seu retorno ao clube foi contestado devido a uma condenação em primeira instância por violência sexual na Itália, decisão que ainda cabe recurso.

No podcast Posse de Bola #64, Juca Kfouri fala sobre o Santos ter contratado o jogador pouco depois de fazer campanha nas redes sociais no combate à violência contra a mulher e diz que falta vergonha na cara no futebol.

"Futebol não tem vergonha na cara, é o goleiro Bruno, é o Jean, façam a campanha que fizerem como o Santos andou fazendo contra a violência em relação às mulheres, na hora em que surge uma oportunidade de fazer um brilhareco e trazer jogador, passa por cima de tudo, seja o clube que for e da maneira que for", afirma Juca.

Juca explica que conversou com o jurista Walter Maierovich, que tem formação em direito italiano, a respeito do caso de Robinho para saber a situação e declara que sempre que se referir a Robinho irá citar a condenação em primeira instância na Itália com direito a recurso.

"Ele está condenado a 9 anos de cadeia em primeira instância, que é uma primeira instância diferente da primeira instância no Brasil, porque não depende de apenas um juiz, é um tribunal com participação popular. Ou seja, ele foi julgado e condenado em 2017 por um tribunal, mas tem o direito a recurso, a segunda e eventualmente uma terceira instância, diante disso e diante da necessária presunção da inocência, todas as vezes em que me referir a este cidadão, me referirei, se tiver que me referir a ele, desta maneira: Robinho, condenado a 9 anos de cadeia em tribunal de primeira instância na Itália com direito a recurso", diz Juca.

"Não é possível você passar pano em uma situação como essa, e nem se trata de dizer é 'não, esse é um gesto humanitário', porque não é o caso, está milionário, é falta de vergonha na cara, simplesmente, é não dar a menor pelota para uma situação que é uma situação odiosa no mundo, que é a violência contra a mulher", completa.

O jornalista ainda questiona como o técnico Cuca aceita um jogador na condição em que o Santos contratou Robinho, lembra que o próprio treinador já se envolveu em um episódio semelhante, e lamenta por não ser possível falar apenas do futebol jogado pelo Santos.

"É deplorável que o Santos em meio a essa campanha tão bonita, é uma tristeza, eu estava encantado, aliás, estou com o futebol do Santos, com o Marinho, como estou com o Keno, como estou com o Galhardo, e vejo uma situação dessa e me dá uma pena terrível de dizer 'poxa vida, que meio esse que a gente cobre, que em vez de a gente estar falando da magnífica vitória do Santos sobre o Grêmio, estamos falando deste episódio. Para quê? Não precisava", conclui Juca Kfouri.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol