Ferrari roubada do ex-piloto Gerhard Berger é encontrada quase 30 anos depois

Uma Ferrari F512M roubada do ex-piloto austríaco Gerhard Berger durante o Grande Prêmio de San Marino, em 1995, foi encontrada quase 30 anos depois em Londres, anunciou a polícia britânica nesta segunda-feira. Em abril daquele ano, os automóveis de luxo de Berger e de seu companheiro de equipe da época, o francês Jean Alesi, foram roubados na cidade italiana de Ímola, onde estava sendo disputado o GP de Fórmula 1.

Desde então, não houve nenhuma pista da Ferrari de cor vermelha, que tem um valor aproximado de 350 mil libras (cerca de R$ 2,1 milhões). Mas, em janeiro, a marca italiana entrou em contato com a polícia londrina após ter descoberto que uma Ferrari vendida em 2023 era, na verdade, um carro roubado.

Investigadores britânicos de uma unidade especializada em roubo de veículos tentaram traçar o caminho seguido pelo automóvel desde o roubo. O carro chegou ao Reino Unido no final do ano passado e foi adquirido por um americano recentemente.

Após trabalhar em colaboração com os investigadores e concessionárias de automóveis do exterior, a polícia britânica concluiu que se trata do carro que foi roubado de Gerhard Berger há quase 29 anos e que foi enviado pouco depois ao Japão.

A Ferrari vermelha ainda se encontra em solo britânico e a polícia conseguiu interceptá-la antes de seu envio para os Estados Unidos. A investigação segue seu curso, porém ainda não houve prisões. Por sua vez, o carro de Jean Alesi continua com paradeiro desconhecido.

Em 2023, os investigadores dessa unidade especializada em roubo de veículos recuperaram 418 automóveis, somando um valor total de 31 milhões de libras (194 milhões de reais). Gerhard Berger, que atualmente está com 64 anos, foi piloto de Fórmula 1 por 14 temporadas, entre 1984 e 1997. O austríaco disputou 210 Grandes Prêmios, com 10 vitórias, e terminou duas vezes na terceira posição do Mundial de pilotos com a Ferrari.