PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Cejudo rasga elogios a Jon Jones ao compará-lo com tops dos pesados do UFC

Ag. Fight

29/01/2022 08h00

Ainda à espera de oficializar sua estreia na divisão dos pesos-pesados do UFC, Jon Jones parece ter encontrado um 'novo lar'. O americano - que foi afastado de sua antiga equipe, a 'Jackson Wink MMA', após anos de parceria - tem treinado na academia do ex-campeão peso-mosca (57 kg) e peso-galo (61 kg) do Ultimate Henry Cejudo, no Arizona (EUA), e, ao que parece, deixou uma boa impressão.

Em entrevista à 'ESPN' americana, Cejudo se disse impressionado com a capacidade e o talento do novo companheiro de equipe na academia 'Fight Ready'. Otimista, 'Triple C' ainda cravou que 'Bones' pode superar com facilidade qualquer um dos principais destaques da categoria dos pesados, incluindo o atual campeão Francis Ngannou.

Apesar disso, Cejudo não prevê um encontro entre Jones e Ngannou no futuro próximo. Como o lutador camaronês trava uma batalha fora do octógono com o UFC por maior valorização salarial e já expressou interesse em migrar para o boxe, onde poderia ser melhor recompensado, o ex-campeão aposta que o africano se manterá inativo por um ano, o que supostamente o liberaria do vínculo com o Ultimate por conta de uma cláusula contratual.

"Sim, Jon Jones está em outro nível. Jones está em um nível completamente diferente de talento, QI, habilidade e experiência. Quer dizer, esses caras, ele literalmente comeria esses caras no café da manhã. Eu não ligo quem seja, eu não ligo quem quer que seja. Eu não acho que Francis (Ngannou) vai voltar. Eu acho que o dinheiro é muito grande para ele no boxe, então eu acredito que ele vai ficar um ano afastado. Acho que Jones lutando nos próximos meses poderia ser uma possibilidade", afirmou Cejudo.

Jon Jones, de 34 anos, é ex-campeão dos meio-pesados do UFC e é apontado por parte dos fãs como o melhor lutador da história do MMA. Após dominar a categoria durante quase uma década, 'Bones' decidiu se aventurar na divisão de cima e iniciou o processo de transição física para se adequar às novas exigências da categoria. No entanto, uma briga por aumento salarial e mais um problema com a lei atrasaram os planos do americano, que segue sem previsão de estreia nos pesos-pesados.

Esporte