PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Medina vence Filipinho de novo e é tricampeão mundial de surfe

Gabriel Medina venceu Filipe Toledo no WSL Finals e conquistou mais um título mundial - Divulgação/WSL
Gabriel Medina venceu Filipe Toledo no WSL Finals e conquistou mais um título mundial Imagem: Divulgação/WSL

Gustavo Setti

Do UOL, em São Paulo

14/09/2021 18h35

Gabriel Medina é tricampeão mundial de surfe. O surfista de Maresias ficou com o título ao levar a melhor na segunda bateria da decisão contra o também brasileiro Filipe Toledo em Trestles, nos Estados Unidos, no WSL Finals, que definiu o campeão de 2021 do Circuito Mundial, organizado pela WSL (Liga Mundial de Surfe).

Medina já havia vencido a primeira bateria na melhor de 3 contra Filipinho e sacramentou o título mundial com nova vitória na segunda bateria.

Gabriel foi campeão mundial pela primeira vez em 2014, conquistou o bicampeonato em 2018 e agora leva o tri em um ano marcado também pela polêmica nas Olimpíadas de Tóquio.

Um dos grandes favoritos à conquista da medalha de ouro, o brasileiro ficou na quarta posição na estreia do surfe no programa olímpico. Ele acabou derrotado pelo japonês Kanoa Igarashi na semifinal. Medina liderava até pouco menos de dez minutos para o fim da bateria, mas levou a virada. O japonês encaixou bela manobra e recebeu nota alta o suficiente para assumir a liderança. A avaliação foi decisiva e gerou muita polêmica entre jornalistas, torcedores e especialistas.

O título de Medina é o quinto do Brasil no Circuito Mundial de Surfe. Além dos três de Gabriel, Adriano de Souza, o Mineirinho, e Italo Ferreira foram campeões em 2015 e 2019, respectivamente.

"Estou muito feliz. Estou chorando porque são muitas emoções ao mesmo tempo, felicidade. Os outros caras me incentivaram", disse Medina, chorando, ainda dentro d'água.

Bateria que valeu o título teve até tubarão

A segunda bateria entre os brasileiros começou quente. Filipe tirou um 7,83. Pouco depois, Medina respondeu com um 8,50 e por pouco não completou um aéreo gigante na sequência.

O mar acalmou nos minutos seguintes, e a bateria foi paralisada pela presença de um tubarão na água. Os dois surfistas permaneceram no mar, mas em cima de motos aquáticas. A área foi vasculhada e, após 15 minutos de pausa, a competição voltou a ser realizada.

Logo na retomada da bateria, Medina encaminhou o título com um backflip que rendeu nota 9,00. Filipe até tentou com um 8,53, mas ele ainda assim precisava de uma nota acima de 9 para virar, nota que não veio. Vitória e festa de Medina, que fez 17,53 pontos no somatório, contra 16,36 de Filipinho.

Ainda no mar, Filipe abraçou Gabriel e o parabenizou pela conquista. Já fora d'água, o surfista de Ubatuba voltou a cumprimentar o compatriota.

Medina confirma favoritismo

Medina chegou para o WSL Finals como líder do ranking e favorito ao título depois de uma temporada praticamente impecável. Em sete etapas, ele chegou a cinco finais, venceu duas e se garantiu com tranquilidade na primeira colocação do ranking, o que o deixou mais perto do título mundial.

No WSL Finals, Gabriel já entrou direto na grande final e só esperou seu adversário, no caso, Filipe Toledo. Antes da decisão, Filipinho era o terceiro do ranking e precisou vencer Conner Coffin, dos Estados Unidos, e o também brasileiro Italo Ferreira antes de cruzar com Medina.

Esporte