PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Brasileiros aprovam cancelamento de etapa de surfe: "visa nossa segurança"

Onda em Sunset Beach, no Havaí - Laurent Masurel/World Surf League via Getty Images
Onda em Sunset Beach, no Havaí Imagem: Laurent Masurel/World Surf League via Getty Images

Do UOL, em Santos (SP)

06/01/2021 12h05

A WSL anunciou ontem (5), através de um comunicado oficial, o cancelamento da próxima etapa do Circuito Mundial de Surfe, em Sunset, no Havaí, inicialmente programada para acontecer entre os dias 19 e 28 de fevereiro. A entidade também optou por adiar a terceira prova da temporada, em Santa Cruz, na Califórnia, e cancelar o evento de ondas grandes, em Jaws.

O cancelamento da etapa de Sunset, a segunda do Circuito Mundial, está ligado à medida adotada pelo Governo do Havaí, que suspendeu a realização de eventos de surfe por conta da pandemia do Covid-19. A WSL informou ainda que adiou a prova de Santa Cruz por conta do aumento de casos do novo coronavírus na Califórnia.

Nas redes sociais, alguns brasileiros comentaram as mudanças na agenda da WSL, e, apesar de lamentarem a decisão, manifestarem-se a favor das medidas adotadas. Filipinho foi um deles.

"Dentro da situação que estamos vivendo, acho que foi boa, mesmo sendo através do Governo do Havaí. A WSL estava se esforçando e se dedicando pra colocar a gente com segurança dentro da água, mas o Governo do Havaí viu o que está acontecendo aqui na Califórnia, todo dia é recorde, são mais casos, e os leitos daqui já estão esgotados. Está uma situação bem crítica e eles preferiram cancelar qualquer tipo de evento que causaria aglomeração no Havaí", disse.

"Acho que foi uma decisão boa, visando a nossa segurança, a saúde de todo mundo. Agora é manter o foco, seguir as regulamentações da OMS, álcool em gel, máscara, tudo isso que a galera já está sabendo. Vamos focar pra acabar essa situação logo e a gente voltar à nossa situação normal", acrescentou o brasileiro, terceiro colocado no Mundial de 2018.

Campeão em 2019, Ítalo Ferreira elogiou a decisão e alertou que a comunidade do Havaí precisava de proteção, uma vez que 'muitas pessoas perderam/perdem familiares com esse vírus'.

"Triste que temos mais etapas canceladas e adiadas, mas não há nada a ser feito. O Governo do Havaí tomou a decisão que eles precisavam em proteção de uma comunidade, pois muitas pessoas perderam/perdem familiares com esse vírus. Cabe a nós ter fé na cura que está breve e aguardar melhores dias. Agradeço à WSL pelo trabalho incansável para que o tour volte nas condições propícias e com todos os cuidados recomendados. O que me resta é treinar mais e esperar a próxima chamada. O ano de 2020 acabou mas o vírus não, devemos continuar com os cuidados sempre ! Se cuidem e cuidem dos seus", escreveu Ítalo.

Já Mineirinho, campeão mundial em 2015 e que se despede do Circuito nessa temporada, disse que a Covid-19 'está mais viva do que nunca' e lamentou não poder cumprir o que havia planejado no Havaí.

"Cheguei no Havaí dia 2 de outubro, passei por momentos bons e ruins com uma lesão no joelho, uma semana antes do Pipe Master. Tudo que eu vinha planejando por meses caiu feito jaca do pé. Acredito não só comigo, mas pelo mundo a fora as energias não estão das melhores, e o Covid ainda está mais vivo do que nunca. A perna da Austrália continua confirmada para abril e até lá esperamos um plano melhor, uma situação melhor, que menos pessoas sejam infectadas, e sem mortes causadas pelo Covid-19. Obrigado WSL e a todos membros que lutaram pelo retorno", postou no Instagram.

Com o cancelamento de Sunset e o adiamento de Santa Cruz, o Circuito Mundial de Surfe fica programado para retornar apenas no dia 1º de abril, em Bells Beach, na Austrália.

Esporte