PUBLICIDADE
Topo

São poucas: Martine e Kahena na lista de brasileiras bicampeãs olímpicas

Adriano Wilkson

Do UOL, em Enoshima (Japão)

03/08/2021 01h10

Martine Grael e Kahena Kunze, as brasileiras da vela, mais uma vez escreveram capítulo de ouro em Jogos Olímpicos. Na madrugada desta terça-feira (3), o vento deu as caras na Baía de Enoshima e a dupla repetiu o pódio da edição passada, disputada no Rio de Janeiro, e mesmo terminando em terceiro lugar na medal race da classe 49erFX, entrou para o restrito grupo de mulheres bicampeãs: apenas seis atletas do país figuravam nesta lista antes.

Única modalidade a figurar nesta lista até então, o vôlei feminino já tinha as bicampeãs Fabi Alvim, Fabiana Claudino, Jaqueline Carvalho, Paula Pequeno, Sheilla Castro e Thaisa, que levaram dois ouros: um em Pequim-2008 e outro em Londres-2012.

Antes das velejadoras de 30 anos, apenas 13 atletas brasileiros (homens e mulheres) haviam conquistado dois ouros no evento esportivo mais importante do planeta.

"É uma honra estar no mesmo patamar de nomes que fizeram história do esporte olímpico brasileiro. Ainda não caiu a ficha. Ter o Robert [Scheidt, 48 anos] aqui mostrou pra gente que não tem idade, se você tem vontade, se você está preparada para aquilo, você pode fazer. A gente não começou bem a nossa semana, mas fomos indo, batalhou cada regata e mostrou que a gente conseguiu chegar ao objetivo", disse Kahena.

"A gente ter o Torben [Grael] e o Robert aqui é ainda mais emocionante porque, para mim, eles são nossos ídolos. Ter eles aqui e ser bicampeã olímpica é indescritível", comemorou Martine, que é filha de Torben.

A regata

A medalha de prata da 49er FX ficou com as alemãs Tina Lutz e Susann Beucke e o bronze, com as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz.

A largada das brasileiras foi bem forte e logo brigaram pela ponta. Na primeira das quatro marcações, elas chegaram brigando pela liderança com as argentinas e estavam à frente das holandesas, as principais adversárias. Indo para a segunda perna da regata, Martine e Kahena perderam contato com a embarcação argentina, mas seguiram no pelotão da frente na flotilha.

Na segunda marcação, continuaram no top 3, mas a tranquilidade foi maior porque as holandesas e as alemãs, principais rivais, ficaram bem para trás. Na terceira marcação, as argentinas e norueguesas dispararam pela liderança e seguiram brigando pela vitória. Martine e Kahena seguiram em terceiro, sem sustos, mantendo o resultado que lhes dava a medalha de ouro.

Na última perna da regata, as posições se mantiveram e as brasileiras asseguraram novamente o ouro olímpico.