PUBLICIDADE
Topo

Após luta contra a covid, Dal Zotto vibra por 'estreia especial' em Tóquio

Técnico Renan comemora estreia nas Olimpíadas após superar a covid-19 ao ficar 40 dias internado na UTI - Gaspar Nóbrega/COB/Gaspar Nóbrega/COB
Técnico Renan comemora estreia nas Olimpíadas após superar a covid-19 ao ficar 40 dias internado na UTI Imagem: Gaspar Nóbrega/COB/Gaspar Nóbrega/COB

Henrique André

Do UOL, em Belo Horizonte

24/07/2021 02h26

Ao contrário do que se esperava, o Brasil não teve tanta facilidade para derrotar a Tunísia na estreia do vôlei masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em jogo disputado na Arena Ariake; mesmo com os 3 sets a 0 no placar final. Com parciais de 25/22, 25/20 e 25/15, o time comandado pelo técnico Renan Dal Zotto debutou com triunfo e, desde Atlanta-96, o selecionado tupiniquim não sabe o que é ser derrotado no primeiro jogo.

"Primeiro, feliz pela vitória. O time não conseguiu render o máximo nos primeiros dois sets porque é uma tensão natural de abertura de Jogos Olímpicos. Mas o importante é que saímos com 3 a 0 e isso conta muito", destacou Dal Zotto ao canal Bandsports.

"Nos últimos anos o time vem se comportando muito bem. Mesmo com a inserção de alguns garotos, a gente tem mantido um nível técnico muito bom. Desde 2017, quando fomos campeões da Copa dos Campeões aqui no Japão, 2018 fomos vice-campeões mundiais, 2019 campeão da Copa do Mundo, agora campeão da Liga das Nações. A gente espera manter essa performance", acrescentou o comandante que seguiu com discurso de pés no chão:

"Não é garantia de absolutamente nada, mas o que a gente espera é continuar jogando bem, com esse entusiasmo, esse brilho no olho. E depois o resultado vem por méritos".

Noite especial para o comandante brasileiro

Símbolo da geração de prata em Los Angeles-1984, o hoje técnico Renan Dal Zotto, de 60 anos, agora tem a missão de manter a força deixada pela antecessor Bernardinho, que, em 16 anos, levou o time a três finais olímpicas, conquistando duas delas (Atenas-2004 e Rio-2016).

Além disso, o treinador viveu emoção diferente na madrugada deste sábado (24), pois, após 40 dias internado na UTI, venceu a covid-19 e seguiu para Tóquio para buscar mais uma medalha para o país. A vitória contra os tunisianos veio como "cereja do bolo".

"Para mim é um momento muito especial porque eu lutei muito para estar aqui. Muito mesmo, uma guerra, uma luta diária comigo mesmo para vencer cada movimento, para adquirir cada movimento. Então, estou muito feliz, muito feliz de estar aqui. Primeiro, pessoalmente, e segundo por estar junto desses garotos, que são brilhantes, e a comissão técnica também. Então, estou muito feliz mesmo", finalizou o técnico.

A seleção brasileira volta a jogar na próxima segunda-feira (26), quando encarar a Argentina.