PUBLICIDADE
Topo

Futebol

John e Luiz Felipe vencem desconfiança e se firmam no Santos

21/06/2021 11h00


Quando o treinador Fernando Diniz assumiu o Santos, os titulares no gol santista e na defesa eram o jovem Kaiky e João Paulo. Com o tempo, o técnico decidiu dar uma oportunidade para dois jogadores que vinham de desconfiança por parte da torcida Alvinegra: John e Luiz Felipe.

Ambos entraram como titulares na partida contra o Cianorte, pela Copa do Brasil, embalaram boas atuações e ganharam a vaga de forma definitiva.

Após o clássico contra o São Paulo, em que ambos tiveram atuações seguras, especialmente John, que deixou o campo machucado e como herói, Diniz foi só elogios.

Conheça o app do Lance! e fique por dentro do Brasileirão

"O Luiz Felipe eu já conhecia, trabalhei com ele no Paraná Clube. Vivia um momento aqui de um certo descrédito, mas é um jogador que desde a minha chegada se entregou de uma maneira exemplar. Foi crescendo, quando teve a oportunidade de jogar, correspondeu e está correspondendo. Tem um caminho de evolução pela frente, assim como os outros. Todo mundo está trabalhando muito no Santos, todos os jogadores. Então a tendência individual de todo mundo é melhorar", comentou Diniz.

Já em relação ao goleiro John, que passou os minutos finais lesionado, após trombar com a defesa do Santos e o ataque são paulino, o tom foi de agradecimento.

"O papo com o John foi de parabenizar pela atuação, pela força de vontade, pelo momento que está vivendo e conseguiu construir. Eu não banquei. Eu banquei o John e banco o João Paulo, o Vladimir. banco todos eles. Neste momento achei que deve jogar o John. Se o João Paulo tivesse que jogar teria minha total confiança e o Vladimir também. Todos eles são bancados por mim", comentou Fernando Diniz.

A defesa do Santos levou apenas dois gols nos últimos seis jogos, mas o treinador fez questão de valorizar o time como um todo para esses números.

"O sistema defensivo não é zaga e goleiro. Só aconteceu isso porque, no final do jogo, estavam os dez se dedicando na marcação. É um trabalho coletivo. O sistema defensivo do Santos são os onze jogadores, então os onze estão de parabéns", concluiu.

Futebol