PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Números explicam consolidação de Jonathan na lateral-direita do Botafogo

23/04/2021 06h30


Uma das posições mais carentes do Botafogo em 2020 foi a lateral-direita. Jogadores como Barrandeguy, Marcinho, Fernando e Kevin foram utilizados, mas nenhum trouxe agradou a torcida e trouxe segurança ao setor. Para 2021, o Alvinegro trouxe Jonathan, do Coritiba. Ele foi anunciado no dia 4 de março e, apenas três dias depois, estreou como titular do Glorioso - desde então, ele não perdeu mais a vaga.

> Botafogo informa lesão significativa no tendão adutor direito de Kayque

- Não posso falar do passado e do que ocorreu, mas posso falar do que pode acontecer daqui pra frente. Sou um cara que trabalha bastante e que se dedica bastante. Vim para ajudar, vim para somar e, com toda a vontade e toda a disposição, pretendo sim fazer o meu melhor respeitando a todos, claramente, para que o Botafogo faça um ano muito positivo, um ano de muitas conquistas para que o Clube volte à primeira divisão, que é o lugar do Glorioso - afirmou o camisa 13 na entrevista coletiva de apresentação.

Dessa forma, dos 12 jogos feitos pelo Botafogo na temporada até aqui (nove no Carioca e dois na Copa do Brasil), Jonathan foi titular em 11. A carência por um jogador na posição pode ser um dos fatores que justifique a titularidade do atleta, mas não é o único motivo. Até aqui, o novo lateral-direito apresenta números que explicam o porquê da vaga cativa na posição.

Jonathan é o líder do Botafogo em desarmes no Campeonato Carioca. Até aqui, ele conseguiu 18, em nove partidas disputadas. Sobre as interceptações, ele é o terceiro do Alvinegro, ficando atrás apenas de José Welison e Kanu. Em relação aos passes certos, ele é o segundo da equipe, com um aproveitamento de 90,8% - no total são 374 passes certos, contra 48 errados.

> Boletim Médico: Pedro Castro está recuperado entregue à preparação física

Outro número que também chama a atenção, mas com ponderações, é o da finalização. Apesar de ser um lateral, ele é o sexto jogador do time com mais conclusões na direção do gol adversário. O número não é alto (2), mas comparando com o restante do elenco, ele fica atrás apenas de Matheus Babi (8), que não está mais no Botafogo, Felipe Ferreira (4), Rafael Navarro (4), Ênio (3) e Marco Antônio (3).

Outro fator que pesa a favor do camisa 13 do Botafogo é a polivalência. Além de ambidestro, Jonathan começou a carreira atuando pelo meio-campo. Ainda na entrevista coletiva de apresentação, ele falou sobre a transição para a lateral-direita e também destacou a importância de usar das qualidades que tem para ajudar o Alvinegro na conquista dos objetivos para a temporada.

- Sou um cara que procura ajudar o clube de todas as maneiras, procuro trabalhar honestamente, sou intenso sempre, independente se estiver jogando ou no banco, independente se eu estiver na lateral-direita ou na lateral-esquerda, sempre vou procurar ajudar o clube. Eu não penso só em mim, penso primeiramente no conjunto, penso no clube. Graças a Deus a gente procura trabalhar no dia a dia para quando precisar de uma outra posição, temos que estar aptos para ajudar o Botafogo.

- No começo é um pouco difícil você se adaptar de uma função à outra. Ainda na categoria de base, eu era meia. Para você mudar para uma função tem que amadurecer bastante, é com trabalho e com dedicação, aprimorando cada detalhe da função. Hoje, já me sinto, teoricamente, um cara mais formado ali na lateral e acho que estou apto sim a jogar ali como também na outra função. Em 2017, estreei no profissional do Brasiliense como lateral-esquerdo, joguei umas quatro, cinco partidas e foi tudo pela lateral-esquerda.

Em tempo: O Botafogo volta a campo no próximo domingo, contra o Macaé, às 18h, no estádio Nilton Santos. A partida, que terá transmissão em tempo real do LANCE!, é válida pela última rodada do Campeonato Carioca.

*Estatísticas retiradas do site Footsats

Futebol