PUBLICIDADE
Topo

Cobrança, adaptação e reação: os dois meses de Jesualdo Ferreira no Santos

Técnico Jesualdo, do Santos, observa o duelo contra o Corinthians - Daniel Vorley/Daniel Vorley/AGIF
Técnico Jesualdo, do Santos, observa o duelo contra o Corinthians Imagem: Daniel Vorley/Daniel Vorley/AGIF

23/03/2020 13h38

A temporada do Santos começou com uma grande novidade aos santistas: a chegada de Jesualdo Ferreira ao clube, treinador de 73 anos, com passagens por várias equipes no mundo e tricampeão português pelo Porto.

No entanto, o seu início não foi muito animador. Com um estilo de jogo mais cadenciado e equilibrado, ao contrário de seu antecessor Jorge Sampaoli, que prezava pela intensidade, a pressão por um futebol mais vistoso, mesmo com bons resultados, estava cada dia mais presente no cotidiano do treinador.

O momento de maior pressão foi depois da derrota diante do Ituano, por 2 a 0, pelo Paulistão. Naquela ocasião, o treinador chegou a balançar no cargo, com uma sequência vital na temporada: o clássico diante do Palmeiras e a estreia na Libertadores contra o Defensa y Justicia, fora de casa.

Diferentemente das primeiras exibições, o Peixe começou a ter outra postura dentro de campo e engatou uma série invicta: empate contra o Palmeiras (0 a 0), e vitórias contra Defensa y Justicia (2 a 1), Mirassol (3 a 1) e Delfin-EQU (1 a 0).

Com quase 60% de aproveitamento no Santos, Jesualdo ainda tenta achar uma forma melhor da equipe atuar, mas já deu para entender, ao longo desses doze jogos no comando do Santos, as ideias do treinador: triangulação ofensiva e maior espera na defesa.

Vale lembrar que o Santos é líder do seu grupo no Paulistão, com 15 pontos e também lidera a chave na Libertadores, com seis pontos em dois jogos.

Veja os números do Santos na temporada

12 jogos: 6 vitórias, 3 empates e 3 derrotas

13 gols marcados e 9 gols sofridos

Santos