Auxiliar de Abel revela como treinador jogou pressão no Botafogo antes da conquista do título brasileiro: "Vou dar-nos como fora"

O Palmeiras conquistou o Campeonato Brasileiro de 2023 na última rodada, diferentemente das outras duas vezes que o levou para casa nessa era de pontos corridos, em 2016, 2018 e 2022. Atrás do então líder Botafogo até a 34ª rodada, o Verdão teve uma arrancada para faturar a taça.

Ao jornal Tribuna Expresso, de Portugal, um dos auxiliares de Abel Ferreira, João Martins, revelou como o treinador jogou a responsabilidade para o time carioca, que passou grande parte do torneio na ponta da tabela.

"Quando a distância abriu muito, o Abel começou a passar o discurso: 'Vou dar-nos como fora do título, só para tentar que o Botafogo comece a sentir mais pressão de ser líder. Sempre que me perguntarem, eu vou dizer que o Botafogo é o grande candidato, que o Botafogo tem tudo para ganhar, que o Botafogo só depende dele'. Porque sabíamos bem o que nos custou, no ano passado, sermos consistentes. É preciso saber estar na frente, lidar com a pressão, saber lidar com a visibilidade, com essas coisas todas de quem ganha", disse o auxiliar.

E assim, Abel o fez. Por diversas vezes, publicamente, o treinador colocou o Botafogo como favorito o título, principalmente enquanto o Alviverde tinha mais de uma competição para brigar. Após a eliminação na Libertadores, o clube concentrou a força no Brasileiro e dos 13 jogos seguintes, venceu oito, perdeu três e empatou dois.

"Sabíamos que era um clube que não ganha há muitos anos. A verdade é que estava com tudo para ganhar e com grande, grande, grande distância. O Abel disse isto, se calhar, há três ou quatro meses. O mais engraçado é que os jogadores partilhavam muito isso: 'João, vais ver que eles vão começar a escorregar, vão começar a perder pontos", seguiu.

O auxiliar ainda contou ao jornal português que Abel "previu" a queda de rendimento do Botafogo, principalmente após o confronto direto no segundo turno. O duelo no Nilton Santos foi o ponto de virada do Palmeiras no campeonato.

"Todos os anos usamos uma história para toda a competição. A história deste ano era o Monopólio. O Abel começava sempre a dizer 'ainda vai passar muita água nesta ponte', que era a reta do Monopólio. O mais engraçado é que no final da reta, no final do retângulo há a curva, e ele dizia: 'A ver se eles não se despistam nesta curva' [era o Botafogo x Palmeiras, que ficaria 3 a 4 depois de ter estado 3 a 0 ao intervalo]. O mais engraçado é que foi nessa curva que começámos a ficar a dois pontos, três pontos", completou.

Continua após a publicidade

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes