Messi divide Maracanã entre aplausos e vaias em atuação apagada

O Maracanã é um estádio histórico na carreira de Messi, tanto pela sua maior derrota (final da Copa-2014) como por sua vitória redentora (Copa América-2021). O jogo que pode ter sido seu derradeiro no estádio - diante do Brasil - teve também um misto reações na arquibancada e uma noite longe de seu brilhantismo habitual.

Quando o nome de Messi foi anunciado na escalação, a torcida argentina o venerou e uma parte da brasileira o aplaudiu. Mas houve uma vaia dos brasileiros para abafar essas duas manifestações em seu favor.

Com o acirramento dos ânimos, e a briga na arquibancada, foram os apupos ao camisa 10 argentino que predominaram. Houve inclusive o grito para ofendê-lo.

Com a bola rolando, Messi não tinha participações decisivas habituais, bem contido pela marcação por zona feita pelo Brasil. O Brasil era duro para impedir os rivais de jogar no 1º tempo, com 16 faltas.

Além disso, Messi sentia algum desconforto físico. Por suas vezes, ele foi atendido ao lado do campo para massagens na coxa. Não aparecia no seu auge.

Aos 31min, o técnico Scaloni substituiu o por Di Maria. Ao sair de campo, houve aplausos, de novo abafados pelas vaias. Houve, sim, brasileiros que preferiam homenagear o camisa 10 como fizeram os argentinos. Mas a vaia, nesses casos, sempre predomina.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes