PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Palmeiras chega ao fim de maratona de 5 meses com mais acertos que erros

Rony e o elenco do Palmeiras durante atividade na Academia de Futebol - Cesar Greco/Palmeiras
Rony e o elenco do Palmeiras durante atividade na Academia de Futebol Imagem: Cesar Greco/Palmeiras

Diego Iwata Lima

Do UOL, em São Paulo

24/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

O Palmeiras está a dois jogos de, enfim, ter um período de descanso. O time enfrenta o Deportivo Táchira-VEN, hoje (24), pela última partida na fase de grupos da Copa Libertadores, no Allianz Parque, às 21h30 (de Brasília). Depois, no domingo (29), visita o Santos pelo Brasileirão. E de 30 maio a 4 de junho, não tem jogos marcados.

Será a última semana "cheia" do ano, que, curiosamente, é como os boleiros chamam os períodos sem jogos, quando há treinos todos os dias. Isso, claro, se o time mantiver o ritmo de temporadas recentes e não for eliminado precocemente dos torneios de mata-mata.

Para enfrentar a maratona que chega ao fim, o Palmeiras se reforçou pontualmente e traçou algumas estratégias para utilização do elenco, apostando em times específicos para jogos diferentes. Embora tenha havido alguns percalços, a avaliação geral pode ser considerada positiva.

Deu certo

1. Administração dos torneios de início de ano rendeu títulos e o vice mundial

Não há como dizer que um time que já decidiu três troféus no ano, e só não ganhou aquele que disputou contra o atual campeão europeu, está fazendo algo muito errado.

O Palmeiras fez a preparação adequada para chegar ao Mundial, em Abu Dhabi, na melhor forma possível para os dois jogos que teve, na parte física, mental e técnica. Ter levado o jogo contra o Chelsea empatado até os 12 minutos do segundo tempo da prorrogação é a prova disso.

No Paulista, soube dosar reservas e titulares para chegar à final e atropelar o São Paulo com um 4 a 0 no Allianz Parque —depois, é verdade, de levar um susto no jogo de ida, perdido por 3 a 1. E foi essa dosagem que permitiu ao time também estar no auge para conquistar a Recopa.

2. Campanha na Libertadores com times mistos é a melhor do torneio

Contra o Táchira, o Palmeiras joga não somente pela melhor campanha da fase de grupos da atual edição do torneio, mas também da história da competição.

Se ganhar e fechar com 100% de aproveitamento, vai automaticamente se isolar como melhor ataque de todos os tempos do torneio nesta fase. Atualmente, tem 21, empatado com o River Plate de 2020.

E como já tem 19 gols de saldo, contra 17 do Boca que foi 100% em 2015 na fase de grupos, terá também o melhor desempenho histórico geral, pois não há como vencer e perder saldo de gols.

3. Vaga na Copa do Brasil com times quase completos

O desafio que prometia ser muito tranquilo teve um grau respeitável de dificuldade, muito por conta do adversário. Embora derrotada nos dois jogos, a Juazeirense-BA não ofereceu moleza ao Palmeiras.

O Palmeiras utilizou muitos titulares nos dois jogos, de início ou ao longo da partida, e conseguiu a vaga.

A classificação às oitavas de final rendeu muito bem-vindos R$ 3 milhões ao clube e manteve o clube no trilho de uma conquista que pode render prêmios financeiros ainda mais altos.

4. Palmeiras corrige rota no Brasileiro e chega ao 2º lugar

O Palmeiras chega à sétima rodada do torneio nacional na vice-liderança, a dois pontos do líder Corinthians, a quem já derrotou neste Brasileirão.

A derrota na estreia, diante do Ceará, foi um baque completamente inesperado. Mas a estratégia de administrar o elenco nas outras competições para dar foco ao Brasileirão, o grande desejo da comissão técnica, tem se mostrado válida.

Além do segundo lugar, o Palmeiras tem também o melhor ataque e a melhor defesa do campeonato.

Reforços: erros e acertos

O Palmeiras trouxe cinco jogadores para esta temporada e anunciou a contratação de Miguel Merentiel, centroavante que começa a treinar em junho com o grupo e que só pode estrear em julho, com a abertura da janela de transferências.

Dos cinco, Murilo foi quem teve mais destaque. O zagueiro foi alçado à condição de titular, devido à grave lesão de Luan, e tem mostrado bom desempenho.

No que toca à parte técnica, Jailson também pode ser considerado um sucesso. Mas o volante teve ruptura de ligamento cruzado do joelho direito e está fora da temporada. Já o goleiro Marcelo Lomba veio para ser reserva de Weverton e cumpriu seu papel sempre que necessário.

O atacante Rafael Navarro teve começo complicado, mas desencantou a ponto de ser o artilheiro da Libertadores. Mesmo assim, não foi bem o suficiente para se tornar titular, de modo que chamá-lo de um meio sucesso é o mais adequado.

Já sobre o meia colombiano Atuesta, no entanto, é possível dizer que, até o momento, não deu certo. Lento e muito pouco intenso, o jogador vem recebendo chances de se aclimatar, mas vem tendo uma adaptação complicada, embora tenha mostrado leve melhora nos dois últimos jogos — Emelec-EQU e Juventude. Abel Ferreira já declarou confiar nele, pedindo paciência. O tempo dirá.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS x DEPORTIVO TÁCHIRA-VEN
Competição: Copa Libertadores - Sexta rodada do Grupo A
Data e horário: 24 de maio de 2022 (terça-feira), às 21h30 (de Brasília)
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Árbitro: Kevin Ortega (PER)
Auxiliares: Jesus Sanchez (PER) e Michael Orue (PER)

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Kuscevic, Gómez e Jorge; Danilo, Zé Rafael e Gustavo Scarpa; Dudu, Rafael Navarro e Rony. Técnico: Abel Ferreira

DEPORTIVO TÁCHIRA: Valdés; Machado, Gutierrez, Marrufo e Benitez; Hernandez, Flores, Cova e Chacon; Figueroa e Uribe. Técnico: Alex Pallarés

Palmeiras