PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Como Nikão pode jogar no São Paulo? Ex-treinadores dele opinam

Nikão participa de treino do São Paulo no CT da Barra Funda - Rubens Chiri / saopaulofc
Nikão participa de treino do São Paulo no CT da Barra Funda Imagem: Rubens Chiri / saopaulofc

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

14/01/2022 04h00

A inesperada chegada de Nikão ao São Paulo dará mais opções para Rogério Ceni montar o setor ofensivo para a temporada que se inicia no fim do mês. O jogador vem do Athletico com a fama de ser polivalente e com a missão de disputar vaga com atletas queridos pela torcida, como Luciano e Rigoni, e até mesmo com crias de Cotia, já que também pode atuar como meia pelos lados, função exercida por Igor Gomes e Gabriel Sara na reta final do Brasileirão.

Para dois técnicos que já trabalharam com Nikão, o melhor caminho para o jogador brilhar no São Paulo é atuando pelo lado direito do campo, assim como fazia no Athletico. Canhoto, ele gosta de jogar por ali pela facilidade de trazer a jogada de fora para dentro.

"Não vejo sentido o São Paulo ter contratado o Nikão para ele atuar em uma função diferente da que ele fez muito bem nos últimos quatro anos no Athletico. Não sei como será o esquema tático usado pelo Rogério, mas acredito que ele possa atuar ao lado do Rigoni e do Luciano", opina Narciso, treinador de Nikão nas categorias de base do Santos.

O meia-atacante disputou a Copinha de 2010 pelo Santos. Sob o comando de Narciso, ele foi titular no meio de campo ao lado de Alan Patrick, atualmente no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. O time da Vila Belmiro acabou perdendo a final da competição nos pênaltis justamente para o São Paulo —o Tricolor tinha Casemiro no meio e Lucas Moura no ataque, lembrando.

Naquela época, Nikão atuava em uma função parecida com a que jogou no Athletico: um meia aberto pela direita. "Ele fazia pela beirada quando a gente estava sem a bola e, com a bola, ele e o Alan Patrick tinham a liberdade de rodar o campo. Mas ele sempre procurava mais esse lado direito, que é o mais forte dele. Ele sentia mais confortável nesse lado do pé contrário", explica Narciso.

Nikão fez três gols na campanha do Santos na Copinha. Depois, começou a rodar pelo país: vestiu a camisa de Atlético-MG, Vitória, Bahia, Ponte Preta, América-MG, Linense e Ceará antes de chegar no Athletico, onde virou ídolo.

Na equipe paranaense, Nikão teve Cristóvão Borges como um de seus primeiros treinadores. Assim como Narciso, ele também optou por escalar o meia-atacante pelo lado direito, no esquema 4-2-3-1. "É onde ele prefere e onde eu acho que ele é mais eficiente", diz Borges.

"Ele é um jogador muito interessante, que dá muitas opções para o treinador. Ele consegue defender bem o corredor direito e, no momento ofensivo, ele organiza bem o jogo. O passe dele também é muito bom, tanto em profundidade quanto para uma inversão de jogo, porque ele bate bem na bola", prossegue.

Cristóvão Borges acredita que o estilo de jogo adotado por Rogério Ceni se encaixa com Nikão. O treinador do São Paulo costuma colocar em campo uma equipe intensa no meio de campo, que prioriza uma transição mais rápida para o ataque.

"O Nikão é muito bom para esse contra-ataque que o Rogério gosta. No São Paulo, é importante que ele tenha jogadores que se movimentem bem à frente dele. E eles têm jogadores interessantes para isso: tem o Sara, tem o Rigoni, o Calleri, que são jogadores de boa movimentação e atacam bem também a profundidade ofensiva", completou.

Nikão treina com os companheiros de São Paulo desde terça-feira (11) quando foi anunciado como quinto reforço da equipe para a temporada. O primeiro compromisso oficial acontecerá no dia 27 de janeiro, na estreia no Paulistão contra o Guarani, fora de casa.

São Paulo