PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Ceni vê protesto inteligente da torcida e despista sobre permanência no SP

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

06/12/2021 23h02

Classificação e Jogos

Os mais de 40 mil torcedores que compareceram ao Morumbi no início da noite de hoje (6) serviram de combustível para o São Paulo na luta contra o rebaixamento, na visão do técnico Rogério Ceni. Em entrevista coletiva depois da vitória por 3 a 1 sobre o Juventude, ele apontou a torcida como uma das responsáveis por impedir que o time tricolor disputasse pela primeira vez a segunda divisão nacional.

"A torcida foi o combustível desse time dentro do Morumbi. Nós conseguimos acho que cinco vitórias em 12 jogos, quatro com eles aqui. Somos muito gratos aos torcedores que vieram aqui nos apoiar. Sem dúvida eles foram o combustível para que o ânimo desse time se mantivesse em alta", disse.

A torcida apoiou a equipe durante quase todos os 90 minutos da partida. Nos acréscimos, quando a vitória por 3 a 1 já estava desenhada, os torcedores começaram a protestar. Frases como "muito respeito com a camisa tricolor" e "time sem vergonha" ecoavam pelo Morumbi.

"O protesto que eles fizeram acho até que foi muito inteligente da parte deles, porque eles cantaram o tempo todo. Eles deixaram para o último minuto para ter a perspectiva do que eles acham, do que eles acham que deve acontecer. Eu acho que é direito de expressão, a visão que eles têm deve ser respeitada, mas é de se ressaltar que em todos os jogos, ganhando ou perdendo, eles cantaram até o fim. Meu agradecimento sincero pelo carinho que esse torcedor carregou um time que não entregou o que eles esperavam durante o ano", prosseguiu Ceni.

Questionado se o torcedor não deve criar esperanças para o ano que vem, depois das declarações dele de que a situação financeira do São Paulo é complicada, Ceni disse que é necessário que se sonhe.

"Torcedor vive de sonhos, a gente vive de sonhos. Poder voltar ao São Paulo em um momento de dificuldades e poder retribuir o que eu vivi durante 25 anos, claro que nem todos eles com finais felizes, mas alguns deles com títulos e conquistas importantes... Eu sei que talvez não achem muito o que foi feito [salvar do rebaixamento], mas eu sei como a equipe se encontrava quando nós chegamos aqui e tenho consciência de que era a nossa obrigação não deixar essa equipe cair, mas conseguir vencer 5 jogos de 12 depois de a equipe ter feito 25 jogos e vencido 6 foi importante para ajudar de alguma maneira com o clube", disse.

"Eu sou grato por ter tido esse convite de voltar ao São Paulo e poder voltar para um lugar que considero a minha casa e poder de alguma maneira retribuir, ajudando a equipe - junto com os atletas e todos aqui - a não passar uma vergonha que seria gigantesca, pela primeira vez na história não disputar a Série A", prosseguiu Ceni.

O São Paulo se despede da temporada contra o América-MG, fora de casa, na quinta-feira (9). Dois pontos atrás da equipe mineira, o time do Morumbi ainda tem uma remota chance de conseguir uma vaga para as fases preliminares da próxima Libertadores.

"Eu vou viver 2021, que nós temos uma possiblidade mesmo que remota [de ir para Libertadores], com ausências por jogadores que tomaram o terceiro cartão, mas vamos montar um time nesses dois próximos dias. Se temos uma remota chance de pegar, não podemos desprezar isso. Claro que a nossa situação é a mais desfavorável de todas, mas temos como obrigação tentar lutar pela vitória e ultrapassar essa barreira dos 50 pontos. É o que nós temos para agora", completou.

Ceni despista sobre permanência

Com a garantia de que o São Paulo permanecerá na primeira divisão na próxima temporada, Rogério Ceni foi questionou mais de uma vez se continuará no comando da equipe em 2022. Em ambas, ele despistou. "Vou viver 2021", disse.

"Sou muito agradecido por ter voltado ao São Paulo. Foi o único clube que eu aceitei voltar, porque é parte da minha vida, é muito mais do que a ligação entre clube e torcida. Eu sou muito grato a todo torcedor são-paulino, que sempre me recebeu super bem, torcida nesses jogos que nós tivemos foi exemplar, 40 mil pessoas por jogo no estádio, só tenho a agradecer. As pessoas com quem eu trabalhei nesses 50 dias, sei lá quanto, são tantas noites mal dormidas, porque uma coisa é você cair, a outra coisa é você ser rebaixado no time que você trabalhou a vida inteira, 30 anos. É diferente quando você tem vínculo e quando você não tem vínculo", prosseguiu.

Rogério Ceni chegou na parte final do Brasileirão para substituir Hernán Crespo, que deixou o São Paulo após uma sequência de cinco empates consecutivos. Nas mãos do ex-goleiro, o time do Morumbi conseguiu cinco das 11 vitórias que tem na competição e garantiu a permanência na elite do futebol nacional.

"Eu sabia da situação, não imaginava que era tão complicada, mas só aceitei vir porque era o São Paulo, porque eu sentia como se fosse a minha casa. Eu acho que dentro - sei que é muito ruim falar isso, não é o lugar que o São Paulo deve estar, pensar, ficar feliz, porque é um alívio apenas o que foi feito hoje -, mas o são Paulo merece muito mais do que passar um ano do que foi 2021. Eu não tenho planos para 2022, nós temos mais três dias aqui ainda e 2022 fica para frente", completou.

Confira outras declarações de Rogério Ceni:

Espírito do Luciano pode servir de exemplo para outros jogadores?

Cada um tem a sua característica, e eu compreendo. Primeiro quero desde já agradecer aos profissionais que trabalhei aqui esses dias, porque não é fácil viver uma situação como essa. Já passamos, logicamente, eu por tantos anos no clube... lembro em 2013, quando o Muricy veio, em 2017 depois que eu saí o Dorival veio e assumiu uma situação também muito difícil, mas que saiu mais rápido do que essa. Mas esse ano foi um ano de dificuldade, serve como alerta.

O Luciano decidimos ontem que ele ia participar, porque ele ficou 10 dias parado, fez uma cirurgia pequena no punho. Teve a boa vontade de participar hoje e foi importante. Não pelo gol, mas pela maneira como se comportou no jogo, flutuou bastante, é um jogador que tem essa facilidade de fazer essa ligação meio de campo e ataque. Enquanto ele tinha condições físicas ajudou, depois acabou substituído, mas foi importante no dia de hoje sim.

Pretende fazer um trabalho emocional diferente com o elenco para 2022?

O São Paulo tem profissionais da área. Eu acredito muito quando você monta uma equipe que ela tem um perfil. Dificilmente você muda o perfil de um atleta. Você não torna um jogador calado em líder da noite para o dia, isso é muito difícil.

Você treina fundamentos, parte tática, melhora quesitos como a bola aérea, finalização, jogada de bola parada, parte física. Tudo isso você tem como melhorar. Mas o perfil de um atleta já formado é muito difícil de ser mudado.

Eu acho que o problema não está em trazer um profissional para isso. Eu acho que já é um grupo formado dessa maneira e repito: sou muito grato a esses caras que trabalharam com a maior boa vontade possível. Dentro das possibilidades que o clube tinha, eles entregaram o que o clube tinha para tirar o São Paulo dessa situação.

Repito: é muito triste ter que estar falando... normalmente a gente brigava por títulos, ou vice-campeonato, caía em uma semifinal, e nesse ano nós estamos diferentes. Mas eles foram... como pessoas só tenho elogios aos que trabalharam comigo.

Agradecer também à própria direção. Todos deram respaldo, força. Dentro do que eles tinham como condição de momento, eles ajudaram da maneira que podiam. Nós fizemos o máximo que era possível para fazer essas cinco vitórias em quatro jogos.

Como a ausência de Arboleda, Luciano e Liziero impacta na montagem da equipe?

Temos jogadores... Arboleda tem um jogo aéreo fantástico, tem os trejeitos dele, mas é um cara bacana de se conviver no dia a dia. Mas temos o Bruno [Alves], o Diego [Costa], que pode jogar, o Léo que pode até fazer essa função, com o Miranda vindo pela direita. Não sei nem como o Miranda se encontra, porque ele vem em uma sequência de jogos.

Liziero temos peças também, o Sara não deve estar pronto para esse jogo, mas temos o Neves que pode jogar nessa função. E o Luciano não tem muito como substituí0lo. Na característica dele não temos como substituir o Luciano. Torcer para que Calleri e Rigoni estejam bem e vamos pensar em uma alternativa para essa função.

Time de hoje é a base para 2022?

Não consigo te responder isso. Mas acho que o time não jogou um belíssimo futebol, mas foi um time que competiu bastante hoje. Não é um modelo de time que eu gosto. Você vê os outros jogos, times com pontas que definem no um contra um, e isso é necessário.

Os jogadores que estão aqui são todos capacitados e bons profissionais, mas é o que eu repeti já em outras vezes: o São Paulo precisa de mais equilíbrio em funções que não existem hoje no clube, porque senão você vai tocar a bola e depender de uma infiltração sempre, porque raramente você tem o um contra um. Para isso o São Paulo tem que se preocupar no ano que vem, e a direção vai saber o que mais necessita. Não são esses 50 dais que vão ter uma noção, mas sim o ano todo. Eles têm os últimos 12 meses como avaliação e vão saber projetar para o ano que vem.

Sentimento ao ver o São Paulo ameaçado por rebaixamento

Fico triste, para ser sincero, como já explanei para vocês. Não é como eu vejo a história do clube, como eu vejo a vida que eu passei aqui e muitos caras que eu convivi, grandes ídolos que levaram o são Paulo a grandes conquistas. É um momento de baixa, é um momento que é preciso as pessoas terem cabeça tranquila e levarem o clube a um ano melhor em 2022. Claro que esbarra em todas as dificuldades financeiras, como nós falamos, mas tem outros clubes que também têm essas dificuldades e conseguiram fazer grandes contratações e conseguiram levar seus times a lugares inesperados no campeonato.

Acho que ainda tem muito são-paulino que quer ver o bem desse clube, muito são-paulino que tem condições de ajudar de alguma maneira o clube, e é o que eu torço. A minha parte eu tentei fazer, correndo risco. E eu sabia do tamanho do risco que eu corria vindo para cá. E eu já tive outros convites antes de vir para cá e eu só aceitei porque era o são Paulo e eu não tinha como recusar. Por isso que eu sofri tanto nos últimos dias, noites e noites sem dormir, porque o rebaixamento quando você tem vínculo é mais fácil, mas com 25 anos de ligação com o clube. Ver o São Paulo nessa situação é muito triste, tristeza seria a palavra única que resumiria esse momento.

Liziero não vinha sendo utilizado e hoje foi titular. O que mudou?

Eu tenho total confiança nele. O Nestor entrou bem quando jogou e eu gostei do Nestor na função, então acabei optando pelo Nestor na função na maioria dos jogos, mas ele teve uma sequência boa comigo. Não sei exatamente, mas acho que foram cinco jogos no começo comigo consecutivos. Hoje, com a ausência do Sara, eu precisava de outro volante e optei por ele para começar o jogo. Mas é um jogador tecnicamente capacitado. Não é um marcador, mas constrói bem, bom passe, ajudou naquilo que era possível não só hoje.

Conta com Pablo para 2022?

Como falei para você, eu não tenho nada para falar sobre a próxima temporada. Essa não acabou, eu quero trabalhar até quinta-feira para encerrar essa temporada.

O que falta para o time ser constante?

Difícil responder, mas eu concordo com você. Acho que não foi uma partida brilhante, ao menos não é o tipo de futebol que eu gosto. A maneira de montar um time para mim é diferente, eu gosto muito mais de jogar com ela no chão. Demos muito chutão, quebramos bola na frente no primeiro tempo todo, nesse quesito há muitas coisas que podem ser melhoradas, mas quem sabe 2022 seja melhor.

Não sei exatamente responder porque um time tão inconstante, eu não consegui encontrar essa resposta nos 50 dias que estamos aqui.

São Paulo