PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Zé Love, ex-Santos, é suspenso por 1 ano após cuspir em juiz na Série D

Zé Love, joga no Brasiliense - Reprodução/Instagram
Zé Love, joga no Brasiliense Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

11/11/2021 00h09

O atacante Zé Love, do Brasiliense, foi suspenso por 380 dias pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por cuspir e agredir um membro da comissão de arbitragem na partida contra a Ferroviária, no dia 18 de setembro, pela Série D do Campeonato Brasileiro. O julgamento foi realizado na terça-feira (9).

Na súmula, o árbitro Antônio Márcio Teixeira da Silva relatou as agressões. "Você vai apanhar hoje, v..., seu filho da p...", teria dito o ex-atacante de Santos, Goiás e Coritiba. Na sequência, o jogador teria cuspido no rosto do auxiliar, além de ter acertado um chute em seu joelho.

Zé Love não chegou a ser expulso na confusão, mas foi denunciado em quatro artigos: ameaça, ofensa à honra, cuspir no auxiliar e agressão física.

A advogada do Brasiliense, Deborah Stockler, negou os incidentes durante o julgamento. "Foi um jogo muito confuso e com muito tempo de acréscimo. O árbitro sabia que o Brasiliense tomaria todas as medidas cabíveis e por isso carregou na súmula. Claramente o árbitro só relatou o que convinha. Não dá para confiar numa súmula que não descreve o que de fato aconteceu", disse.

"No vídeo não aparece nenhum cuspe do Zé Love, nenhum chute. A Polícia Militar inclusive estava fazendo a proteção e não teria como o atleta encostar no árbitro. Não tinha como chegar e dar um chute", acrescentou.

Além de Zé Love, o zagueiro Gustavo Henrique foi suspenso por 360 dias pela confusão. O auxiliar técnico Wellington Augusto (180 dias), o gerente de futebol Paulo Henrique Lorenzo (30 dias) e o ex-técnico Luan Carlos (dois jogos) também foram punidos.

O jogo terminou com derrota por 1 a 0 do Brasiliense, que acabou eliminado da disputa da Série D.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado no texto, o nome do gerente de futebol em questão é Paulo Henrique, e não Pedro. O erro foi corrigido.

Futebol