PUBLICIDADE
Topo

Corinthians

Fábio Santos rebate críticas de Marcelinho Carioca e revela incômodo no CT

Fábio Santos, lateral do Corinthians, durante coletiva de imprensa - Reprodução/YouTube
Fábio Santos, lateral do Corinthians, durante coletiva de imprensa Imagem: Reprodução/YouTube

Yago Rudá

Do UOL, em São Paulo

22/10/2021 14h44

Classificação e Jogos

O discurso do ídolo Marcelinho Carioca criticando Sylvinho, Cássio e Giuliano não foi muito bem recebido pelo elenco do Corinthians. Em coletiva de imprensa, o lateral Fábio Santos explicou como a informação chegou ao CT Joaquim Grava, revelou uma certa mágoa pelo que foi dito pelo ídolo e pediu que o ex-meio-campista se lembrasse de quando atuava pelo Alvinegro.

Marcelinho Carioca participou de um evento na Neo Química Arena, na noite da última quarta-feira (20) a convite do goleiro Ronaldo Giovanelli. Em um momento de sua participação, o ex-jogador disse que o meia Giuliano estava 'dando apenas passes de lado', que o goleiro Cássio estava 'largo' (em referência ao peso do jogador) e também não poupou críticas ao trabalho de Sylvinho.

"É natural que essas coisas cheguem até a gente, por mais que a gente procure ficar afastado. Quase não vejo redes sociais, tem muita coisa negativa hoje em dia. Sobre esses dois ídolos, são caras respeitados dentro do clube. Para mim, o Marcelinho, se não é o maior, é um dos maiores da história do clube. Não vejo maldade da TV do clube em abrir espaço para esse tipo de coisa, são ex-jogadores que têm o respeito do torcedor, que acaba escutando. A palavra deles é muito valiosa", explicou Fábio Santos ao citar que o vídeo foi publicado pelo próprio Corinthians no canal oficial do clube.

O tema incomodou atletas, membros da comissão técnica e também a diretoria de futebol. O técnico sofre pressão das organizadas, dos torcedores nas redes sociais e também de conselheiros do clube que pediram a troca do comando técnico ao presidente Duilio Monteiro Alves.

"Quando abre espaço, não imagina que virão críticas, e críticas pesadas. Quando é normal, a gente entende, gosta daquele jogador e não gosta deste, mas são ex-profissionais que passaram pelo Corinthians, que sabem como é o dia a dia. E, num momento de pressão, acaba saindo um pouco do tom. A gente fica triste por usarem esse palavreado. Mas não tem como agradar a todos, é dentro de campo que podemos dar uma resposta positiva. Espero que a gente possa trazer o torcedor para o nosso lado e também que esses ídolos possam, quem sabe um dia, lembrar do que viveram lá atrás e falar bem da gente novamente", finalizou o lateral-esquerdo do Corinthians.

Corinthians