PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

SPFC tem período difícil na lateral direita um mês após saída de Dani Alves

Daniel Alves em ação pelo São Paulo em partida do Campeonato Brasileiro 2021 - Rafael Vieira/AGIF
Daniel Alves em ação pelo São Paulo em partida do Campeonato Brasileiro 2021 Imagem: Rafael Vieira/AGIF

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

16/10/2021 04h00

Classificação e Jogos

Há exatamente um mês, o São Paulo confirmava a rescisão do contrato de Daniel Alves. Desde então, a lateral direita tem sido uma dor de cabeça no Morumbi. Reserva imediato, Igor Vinícius se machucou apenas três dias depois de o veterano deixar o clube. Terceira opção para a posição, Orejuela perdeu espaço com Hernán Crespo e só voltou a ser utilizado com a recente chegada de Rogério Ceni.

Daniel Alves voltou a ser o dono da lateral-direita com Hernán Crespo. Na época de Fernando Diniz, o veterano preferia atuar como meia. Foi por esse motivo, inclusive, que o São Paulo desembolsou R$ 13 milhões para contratar Orejuela, que chegaria para brigar por posição com Igor Vinícius.

Com a volta do veterano para a lateral direita, Igor Vinícius passou a ser o reserva imediato. A chance de aproveitar o buraco deixado por Daniel Alves, contudo, foi desperdiçada diante do Atlético-GO. Igor sofreu um choque com William Maranhão e teve uma lesão no olho esquerdo.

Sem os dois, a tendência era de que Orejuela ganhasse espaço, mas o colombiano teve poucas oportunidades com Crespo. A última vez que o argentino o utilizou foi no segundo tempo da partida contra o Athletico, pelo Brasileirão, em 7 de agosto. Desde então, o lateral muitas vezes não era nem sequer relacionado para os jogos.

A perda de espaço irritou o empresário de Orejuela, que chegou a dar declarações à imprensa falando que seu jogador não permaneceria no São Paulo caso Crespo continuasse no cargo. Ele voltou a ser utilizado quando Rogério Ceni chegou. O colombiano foi titular contra o Ceará e deixou a partida no início da segunda etapa.

Sem poder contar com Igor Vinícius, Ceni precisou fazer o que Crespo já vinha fazendo: improvisar. O novo comandante mandou a campo o lateral-esquerdo Welington para atuar pela direita. Como orientação, pediu que Igor Gomes o auxiliasse na marcação por aquele lado.

Era justamente Igor Gomes uma das opções de Crespo para a lateral direita em seus momentos finais. O meia atuou como titular da função contra Cuiabá e Santos, além de ter entrado nos últimos minutos do empate contra a Chapecoense no lugar de Galeano.

Atacante de origem, o paraguaio era visto como um curinga para Crespo. Ele ocupou a lateral direita contra América-MG, Atlético-MG e Chapecoense. No jogo em que Igor Vinícius se machucou, foi ele o escolhido para substituí-lo.

Se Crespo teve muitos problemas sem Daniel Alves, a vida de Rogério Ceni tende a ser mais tranquila. Igor Vinícius está em fase final de recuperação e deve estar à disposição nas próximas semanas. Até lá, a tendência é que Orejuela siga atuando como titular.

O próximo desafio do São Paulo será na segunda-feira (18), contra o Corinthians, no Morumbi, pela 27ª rodada do Brasileirão. O time de Rogério Ceni ocupa a 13ª colocação da competição, com 31 pontos, quatro a mais que o Bahia, primeiro time na zona de rebaixamento.

São Paulo